Ao acessar o site KLM.com você aceita o uso de cookies. Leia mais sobre cookies.

Entrada secreta da Casa de Anne Frank

O diário de Anne Frank é sem dúvida o mais famoso diário do mundo. Na casa que hoje é conhecida como Casa de Anne Frank, encontra-se o Anexo Secreto de onde Anne escreveu sobre seus medos, tristezas e sonhos para o futuro. Visitar esta casa na Prinsengracht 263, em Amsterdam, faz a história reviver e dá um rosto ao Holocausto.

É difícil imaginar que a jovem de 13 anos tinha que viver em poucos cômodos pequenos em Prinsengracht, sem nunca sair ao ar livre. Junto com seu pai Otto, sua mãe Edith, sua irmã Margo, a família Van Pels e Fritz Pfeffer, Anne passou 2 anos no esconderijo, durante a Segunda Guerra Mundial. Ela dividia o quarto com Fritz Pfeffer, o homem que muitas vezes a incomodava. Pfeffer fazia sons estranhos quando dormia, e Anne só podia usar a pequena escrivaninha no quarto quando ele tirava uma soneca à tarde.

KLM - An aerial view of the Anne Frank House
Vista aérea da Casa de Anne Frank

Amsterdã

O Anexo Secreto

O Anexo Secreto foi restaurado em sua forma original e está praticamente intocado – do quarto, ainda decorado com quadros de artistas de cinema, dançarinos e obras de arte, à janela do escritório por onde Anne tentava lançar um olhar furtivo ao mundo exterior. A maioria dos visitantes se choca com o tamanho dos cômodos no Anexo Secreto: é quase impossível imaginar 8 pessoas passando 2 anos escondidas nesses 75 metros quadrados.

Quando Anne olhava pela janela, ela via um grande castanheiro branco. Ela escreveu com frequência sobre esta árvore em seu diário e descreveu como ela mudava com as estações. Infelizmente, a árvore não está mais lá, mas suas mudas espalharam-se pelo mundo, de forma que a árvore de Anne continua a crescer e florescer. O relógio da igreja de Westerkerk ainda é visível do Anexo Secreto. Quando os sinos da igreja repicam, é possível visualizar ainda melhor o diário, já que Anne amava o som dos sinos e várias vezes mencionou a igreja em seu diário. O diário original está exposta na Casa de Anne Frank.

“É difícil imaginar que 8 pessoas esconderam-se nesse pequeno espaço por 2 anos”

A torre da igreja de Westertoren, Amsterdam
O diário de Anne Frank

O diário

O diário começa dia 12 de junho de 1942, quando Anne o recebeu de presente em seu 13º aniversário. Seu último registro data de 1 de agosto de 1944. Três dias depois, em 4 de agosto, a vida no Anexo Secreto foi brutalmente interrompida. As pessoas no esconderijo foram traídas, e todas as 8 foram presas e deportadas. Somente Otto Frank sobreviveu à guerra. Quando ele recuperou o diário de Anne, depois da guerra, decidiu publicá-lo. O diário foi traduzido em mais de 70 idiomas, o que supera o número de traduções de qualquer outro livro em holandês, em todos os tempos. Até hoje, foram vendidos mais de 30 milhões de exemplares.

Créditos das fotos

  • O diário de Anne Frank: Cris Toala Olivares