KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Uma cidade com um coração antigo

A rica história de Lima concentra-se no centro histórico da cidade, conhecido pelos limeños (os habitantes de Lima) como Cercado de Lima. A arquitetura consiste de uma coleção interessante de basílicas, conventos, casas e praças do século XVI. Este patrimônio cultural único, às margens do Rio Rimac, foi agraciado com a prestigiosa designação de Patrimônio Mundial da UNESCO.

Francisco Pizarro fundou sua Ciudad de los Reyes, a “Cidade dos Reis”, em 1535. Na verdade, o nome não pegou, mas a cidade se tornou o centro da América do Sul. Por três séculos, Lima foi a capital política, religiosa e econômica do Novo Mundo e residência do vice-rei. Várias autoridades aqui se estabeleceram, rapidamente seguidas por igrejas, conventos, mansões, pontes e praças. Esses impressionantes exemplares da arquitetura colonial evocam uma era do passado.

O mosteiro de San Francisco

Um museu arquitetônico a céu aberto

Parte do centro histórico de Lima é também chamado de “Damero de Pizarro” (“Tabuleiro de Damas de Pizarro”). Essa zona ganhou esta denominação devido às ruas que foram abertas obedecendo a um padrão regular, retilíneo, em forma de grade. A área é muito compacta, e, a partir da Plaza Mayor, antiga Plaza de Armas, a maioria dos monumentos fica a uma curta distância a pé. Preste atenção na Casa de Aliaga, a casa colonial mais antiga da cidade e talvez de toda a América do Sul, e também no Palácio Torre Tagle, a sede atual do Ministério das Relações Exteriores.



Uma das atrações mais impressionantes é o complexo do mosteiro de San Francisco, composto por três igrejas, cinco mosteiros, uma biblioteca e várias criptas. Um guia pode levar você para um tour de 45 minutos pelos edifícios incríveis e seus interiores clássicos, decorados com afrescos, pinturas, entalhes de madeira, milhares de livros antigos encadernados em couro e uma respeitável coleção de arte. As criptas, que até o início do século XIX serviam como cemitério de Lima, são o ponto alto do tour. Mais de 15 mil pessoas encontraram seu repouso eterno aqui.

A famosa sacada

Passeando pelos monumentos históricos de Lima, é difícil não notar as belas sacadas de madeira. Alguns exemplos famosos incluem as da fachada do Palácio do Arcebispo e as sacadas da Casa de Pilatos, Casa del Oidor e Casa Negreiros. Como as sacadas são um elemento característico da arquitetura colonial, a cidade estimula seus habitantes a adotar uma. Isso garante que as sacadas sejam adequadamente mantidas e preservadas como monumento cultural e histórico.

+ Ler mais

As sacadas do Palácio do Arcebispo
Lima, a cidade dos reis

Lima continua sendo Lima

Mesmo antes da chegada de Francisco Pizarro, o assentamento às margens do rio era chamado de Lima. Ninguém sabe ao certo de onde o nome se originou. É possível que tenha se derivado do Aymara, um idioma local em que “lima-limaq” significa flor amarela. A origem também pode ser a palavra quéchua “rimaq”. Rimaq quer dizer “interlocutor”, e os espanhóis pronunciavam a palavra como “limaq”. Embora Pizarro tenha batizado a cidade com o nome promissor de Ciudad de los Reyes (Cidade dos Reis), as pessoas continuaram a chamá-la de Lima.