KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Uma praça de proporções extraordinárias

A Praça Tiananmen, também conhecida como Praça da Paz Celestial, em Pequim, é cheia de superlativos. Esta grande praça de 880 metros de comprimento e 500 metros de largura pode comportar um milhão de pessoas e é a quarta maior praça do mundo. O Portão da Paz Celestial, Portão Tiananmen, dá acesso à Cidade Proibida. Acima da entrada há um retrato de Mao Tsé-Tung, o fundador da China moderna.

A Praça Tiananmen – declarada Patrimônio da Humanidade em 1987 – deve seu nome à suprema busca dos senhores da guerra chineses. Ela foi construída como entrada para a Cidade Proibida, o domínio exclusivo da Corte Imperial, que serve de ponto de encontro entre os líderes do país e a população, desde o início do século XV. Praticamente todo cidadão chinês deseja visitar a praça pelo menos uma vez na vida, especialmente o mausoléu onde repousa o corpo embalsamado de Mao (1893-1976). Todo os dias, milhares de pessoas prestam sua homenagem diante de seu túmulo.

A Praça Tiananmen
A Praça Tiananmen

Pequim

O homem que parou os tanques

A Praça Tiananmen é o símbolo do poder do estado na China. Ela foi cenário tradicional de grandes paradas militares. Do lado oeste fica o edifício do Parlamento, também conhecido como o Grande Salão do Povo. Portanto, não foi coincidência que nos anos de 1980 esse lugar tenha se tornado o epicentro dos protestos populares contra as lentas reformas sociais e econômicas.



Na noite de 3 de junho de 1989, a revolta teve um fim dramático. Muitos cidadãos tinham se unido aos protestos estudantis pacíficos e uma grande multidão estava reunida na praça. O líder Deng Xiaoping convocou o exército para esmagar os protestos. Para horror da comunidade internacional, ele ordenou ao exército que abrisse fogo contra a multidão e centenas de pessoas foram mortas. Logo depois, a praça foi limpa. No entanto, a foto do “Homem-Tanque” escreveu a história: um estudante solitário, armado apenas com duas sacolas de compras, ficou parado diante dos tanques, forçando-os a parar. As imagens foram divulgadas no mundo inteiro e a foto do homem-tanque tornou-se o símbolo mais famoso do protesto.

“A Praça Tiananmen é o centro de poder e glória da China”

Imagem universal de coragem: o “Homem-Tanque”
O Portão da Paz Celestial

Museu da Revolução

Atrás da enorme colunada que fica no lado leste da praça situa-se o Museu da História e Revolução Chinesa, também conhecido como Museu Nacional da China. Quase tão grande quanto o edifício do Parlamento do outro lado da praça, a estrutura foi construída em 1959, em homenagem ao 10º aniversário da República da China. Uma visita ao museu passa pelos grandes salões repletos de objetos de diferentes dinastias e imagens de todas as revoluções e protestos.

Uma praça cheia de atrações

A Praça Tiananmen tem proporções inéditas. Da sacada do portão – um dos seis portões da Cidade Proibida – Mao e outros líderes chineses dirigiam seus discursos ao povo. No meio da praça fica uma coluna de granito de 70 toneladas, o Monumento aos Heróis do Povo, em memória dos soldados e civis que morreram nas várias guerras revolucionárias. Outro edifício notável é o Parlamento. Também disputando sua atenção encontram-se os enormes edifícios comunistas que foram adicionados à praça na década de 1950 – e os telões de vídeo com publicidade que foram colocados aqui nos últimos anos.



Todos os dias, das 4h às 23h, visitantes e habitantes locais são bem-vindos para passear e visitar os pontos turísticos impressionantes na praça e ao redor dela. As visitas à praça e ao mausoléu de Mao são gratuitas, o acesso ao Portão da Paz Celestial custa cerca de 1,5 euro (15 yuan).

Monumento comunista na praça

Créditos das fotos

  • Imagem universal de coragem: o “Homem-Tanque”: STRINGER REUTERS / Imageselect
  • O Portão da Paz Celestial: Sean Pavone, Shutterstock