KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Proezas arquitetônicas

A Hagia Sophia, que significa ‘Igreja da Sagrada Sabedoria’, está orgulhosamente localizada em um monte no centro da cidade antiga de Istambul. Originalmente, o imponente edifício funcionava como uma igreja, mas se transformou em uma mesquita e, desde 1935, tem sido um museu. Mas a Hagia Sophia é mais conhecida como um espetacular marco arquitetônico. Em 532, um grupo de arquitetos foi contratado para construir uma igreja que fosse única. Com certeza, eles tiveram êxito.

Na época, a Hagia Sophia foi considerada um edifício revolucionário. Ela marcou o início de um novo período na antiga arquitetura cristã. Nessa época, a maioria das igrejas possuía um formato retangular; uma cúpula redonda com diâmetro de mais de 30 metros era algo jamais visto no mundo bizantino. Até mesmo os arquitetos, que possuíam um grande conhecimento de engenharia civil, não tinham certeza sobre como a construção seria suportada. Vinte anos depois, um terremoto derrubou a cúpula, que foi imediatamente restaurada.

A Hagia Sophia é lindamente iluminada
A Hagia Sophia é lindamente iluminada

Istanbul

De igreja a museu secular

Ao entrar na Hagia Sophia, leva certo tempo se acostumar com a luz suave do lugar. Durante a reforma, as janelas, que antes deixavam a luz natural entrar, foram fechadas com tijolos. A igreja é iluminada por uma grande quantidade de lâmpadas. O vidro e o ouro dos famosos mosaicos são lindamente iluminados pelo brilho das luzes cintilantes. Os mosaicos estão espalhados por vários lugares do edifício. Sob a luz cintilante, os azulejos parecem estar em movimento.
Embora os mosaicos dourados sejam um dos destaques artísticos da Hagia Sophia, eles não foram sempre visíveis. Até 1453, a igreja, com seus quadros e mosaicos bizantinos, era um lugar de oração cristão, mas quando Mehmet II conquistou a Constantinopla, o edifício foi imediatamente transformado em uma mesquita. Ele retirou todas as relíquias, adicionou minaretes ao edifício e substituiu a cruz no topo da cúpula por uma lua crescente. O novo líder ordenou que todas as paredes com pinturas e os mosaicos fossem cobertos com gesso. Foi Mustafa Kemal Atatürk, o fundador da Turquia moderna, quem trouxe de volta estas lindas obras de arte. Em 1934, ele transformou a mesquita em um museu secular e fez com que todo o gesso fosse removido, revelando todos os trabalhos artísticos novamente.
Os visitantes ainda podem ver os vestígios da antiga mesquita. A cúpula possui escrituras do Alcorão e, na parte de trás do museu, há um “minbar” ou púlpito. Há enormes escudos verdes de madeira exibindo os nomes islâmicos sagrados de Deus, do profeta Maomé e dos primeiros quatro representantes de Deus na Terra, escritos com letras douradas. Combinado com a antiga arte cristã, o museu é único.

+ Ler mais

Visualização no mapa

Ayasofya Meydanı

Os mosaicos brilham com as luzes da Hagia Sophia

Um pilar de cura

Grandes multidões se encontram na entrada do museu. Eles fazem fila para visitar a “coluna dos desejos”, um pilar que parece transpirar. Uma lenda de antes do ano 1200 diz que, desde que Gregorius, o Curandeiro, apareceu aqui, a umidade deste pilar possui poderes de cura. Muitos visitantes ainda colocam seus polegares na parte gasta do pilar; a fricção diária de tantos visitantes deixou o cobre brilhando como ouro.