KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Praias cheias de ovos de tartarugas

Se você alguma vez já mergulhou nos recifes e navios naufragados em volta de Aruba, já deve tê-las encontrado antes: as tartarugas marinhas. Tartarugas marinhas são como pombos-correios subaquáticos: não importa o quão longe viajem, sempre voltam para casa. A "casa" delas é a praia de Aruba de onde outrora saíram de um ovo – e também para onde voltam para desovar a nova geração.

Com um pouco de sorte, é possível não só ver as tartarugas marinhas aninhadas, mas também um bebê-tartaruga nascendo. Isso acontece na costa oeste de Aruba, principalmente na área de edifícios baixos em Eagle Beach. A nidificação ocorre de março a setembro e os ovos eclodem de maio a novembro. As áreas são demarcadas e as tartarugas não podem ser perturbadas de nenhuma forma, tanto quanto possível.

Uma tartaruga verde e seu ninho
Uma tartaruga verde e seu ninho

Aruba

Uma visão fascinante

Há 4 espécies de tartarugas marinhas em Aruba: a tartaruga verde, a tartaruga cabeçuda (tartaruga comum), a tartaruga-de-pente e a rara tartaruga-de-couro (ou tartaruga gigante). Todas estão em risco de extinção, portanto é extremamente importante que esses animais sejam protegidos.

Embora pareçam letárgicas, as tartarugas marinhas podem percorrer enormes distâncias no oceano. A cada 2 a 5 anos, elas usam o campo magnético da terra para nadar de volta para a praia onde nasceram. As fêmeas que voltam também põem uma grande quantidade de ovos que cobrem cuidadosamente de areia.

Se você tiver sorte, verá uma eclosão de ninho – à distância. Começa com a areia se mexendo. Quando a temperatura cai no fim do dia, é um sinal para que as jovens tartarugas corram em massa para o mar. Depois do pôr do sol, é importante que todas as luzes fiquem apagadas porque elas podem desorientar as jovens tartarugas, que por isso poderão correr na direção errada.

Apenas 1 em cada 1.000 jovens tartarugas chega à idade adulta
Quase na água

Observadores conscientes

Turtuga Aruba é uma organização voluntária que demarca e protege os ninhos de tartaruga. Eles também informam ao público sobre os ninhos, porque os observadores sem conhecimento podem causar um grande dano. As regras de conduta mais importantes, quando um ninho está eclodindo, são: apagar todas as luzes, não tocar nas tartarugas e não obstruir seu caminho para o mar. É importante que as tartarugas recém-nascidas encontrem sozinhas seu próprio caminho para que marquem a localização da praia. Afinal, elas precisam voltar aqui para completar seu ciclo de vida.

“É muito importante que as tartarugas recém-nascidas encontrem seu próprio caminho”