KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Cerveja em Copenhague

A história da cerveja na Dinamarca tem cinco mil anos e, portanto, está fortemente vinculada à história e à cultura do país. Os Vikings adoravam a cerveja: eles praticamente só bebiam cerveja clara, o que naquela época era mais saudável do que água. A produção de cerveja continua sendo uma importante atividade comercial da Dinamarca, e o consumo médio é de 80 litros por ano.

Os dinamarqueses adoram tomar uma cerveja no almoço, depois do trabalho ou na companhia de amigos. Peça uma “store øl”, uma caneca de meio litro, ou uma “lille”, o copo menor; a cerveja dinamarquesa é servida em diversos tamanhos. As cervejarias mais conhecidas são a Carlsberg e a Tuborg. Mas não deixe de provar cervejas artesanais menos famosas. Todas são muito boas.

A cultura da cerveja na Dinamarca
A cultura da cerveja na Dinamarca

Copenhague

Da cerveja escura de trigo à lager

A primeira associação de mestres cervejeiros de Copenhague foi criada em 1525. Ela era formada por alguns produtores locais que vendiam cervejas para o povo e para o rei e seu exército. O trabalho era árduo porque o consumo diário era de cerca de dez litros por pessoa. A bebida tradicional, e até o final do século 19 a única bebida, era a hvidtøl. Embora o nome signifique “cerveja branca”, essa cerveja era bem escura devido ao malte tostado.

Em 1838, J.C. Jacobsen apresentou uma cerveja da Bavária para o rei dinamarquês. Essa cerveja era produzida seguindo um processo moderno, de acabamento mais fino e podia ser conservada por mais tempo. O enorme sucesso dessa cerveja levou à criação da cervejaria Carlsberg, nos arredores de Copenhague, em 1847. Alguns anos depois, a Tuborg deu início à produção em larga escala da cerveja do tipo lager, e essa cerveja clara caiu rapidamente no gosto popular.

Bandeja de cerveja “hvidtøl” escura

Cervejas artesanais dinamarquesas

A Dinamarca possui mais de 200 cervejarias artesanais que são vendidas em diversos bares. Essas cervejas costumam ser produzidas com ingredientes totalmente naturais e regionais. Uma boa opção é a Amager Bryghus, que é encorpada e picante por ser fermentada na garrafa. Outra opção deliciosa é a Møgelskår Hyldeknægt, produzida na Ilha de Samsø, que tem um toque suave de caramelo e flor de sabugueiro. Experimente também a påskeøl (cerveja da Páscoa) ou a juleøl (cerveja do Natal). Elas são vendidas antes desses feriados e marcam o início da primavera e do inverno para os dinamarqueses.

A cerveja de Natal é muito popular na Dinamarca