KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Catacumbas de Roma

Quando pensa na romântica Roma, corredores misteriosos e criptas antigas talvez não sejam as primeiras coisas que lhe vêm à mente. Fora da cidade estão as Catacumbas de Roma, uma rede de cemitérios subterrâneos escavados no século 2 dC. As mais impressionantes são as Catacumbas de São Calisto, onde 16 papas e cerca de 30 mártires estão enterrados.

As Catacumbas de São Calisto devem seu nome ao diácono Calisto, nomeado supervisor do cemitério pelo Papa Zeferino, no século 3. Essas catacumbas tornaram-se o local de sepultamento oficial da Igreja de Roma. O cristianismo ainda era uma fé bastante incomum na época e, enquanto os romanos cremavam seus mortos, os cristãos preferiram que seus entes queridos fossem enterrados. A religião romana proibia o enterro dentro dos limites da cidade, por isso as catacumbas tornaram-se o local designado.

As catacumbas subterrâneas de Roma
As catacumbas subterrâneas de Roma

Roma

O pequeno Vaticano

Há um ar de mistério nos corredores. As catacumbas têm nada menos que quatro andares, e algumas estão a 20 metros abaixo do solo. A mais importante das várias seções é a área dos papas, também conhecida como “pequeno Vaticano”. As criptas dos papas de São Calisto são consideradas as mais bonitas das catacumbas, e as inscrições originais ainda são visíveis nas paredes.

A cripta de Santa Cecília é outro destaque. Santa Cecília, padroeira da música, ficou enterrada aqui por cinco séculos. Ela morreu como mártir por volta do ano 230, e seu corpo ficou desaparecido por muito tempo. Seu túmulo foi redescoberto com as catacumbas de São Calisto em 820. O Papa Pascoal I deu a ordem de reconstruir uma igreja no lugar onde ela havia morrido e transferiu seu corpo para lá. A Basílica de Santa Cecília ainda pode ser admirada no charmoso bairro de Trastevere.

A catacumba de Santa Cecília

Simbolismo subterrâneo

Os corredores e as câmaras das catacumbas estão ricamente decorados com símbolos cristãos. Visto que os cristãos não podiam praticar sua fé abertamente naquele tempo, eles pintavam e esculpiam símbolos para expressar suas crenças. Os mais conhecidos são o monograma de Cristo, o peixe e o Bom Pastor. O monograma é composto das letras gregas X e P, as duas primeiras letras da palavra grega para Cristo. Se estiverem gravadas em um túmulo, isso significa que um cristão está enterrado ali.

Créditos das fotos

  • A catacumba de Santa Cecília: Paul Hermans, Wikimedia