KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Chelsea, o novo SoHo

Galerias de arte, teatros e museus únicos: ao longo dos últimos anos, Chelsea se tornou um polo criativo de Nova York. O passado industrial confere à área um estilo rústico que muitos artistas adoram. Atualmente, existem 350 galerias só em Chelsea, e o número não para de crescer.

O SoHo costumava ser o destino para os nova-iorquinos apreciadores de arte, mas os tempos mudaram. No início da década de 1990, armazéns e garagens abandonados nas ruas sujas de Chelsea foram transformados em galerias de arte vanguardista. Restaurantes, cafés e museus foram abertos em seguida e transformaram Chelsea em um bairro badalado. Como quase nenhuma das galerias cobram entrada, passar um dia comprando obras de arte é um programa irresistível.

Oásis verde na selva de pedra

Uma ótima maneira de ter uma boa visão do bairro é caminhar pela High Line. Esse antigo viaduto ferroviário liga Chelsea ao Meatpacking District e foi transformado em um lindo parque. Com quase dois quilômetros, o High Line é um pequeno oásis em meio à selva de pedra. Quando o tempo está bom, muitos nova-iorquinos pegam sol nos bancos ou saboreiam um pretzel e um café em uma das muitas cafeterias ouvindo o som do tráfego que passa sob o elevado.
É possível descer do parque usando uma das muitas escadarias, mas recomendamos a saída da West 20th Street. Andando uma quadra, na West 21st Street, você encontrará a galeria de Paula Cooper, um dos grandes nomes do meio artístico e uma das primeiras pessoas a mudar do SoHo para Chelsea. A galeria de Paula expõe obras de grandes artistas.

“Chelsea combina o poder aquisitivo de uptown com o estilo único de downtown”

Arte nas ruas

Fotografia e arte conceitual

A maioria das galerias ficam localizadas nas quadras entre a West 18th Street, West 24th Street, 10th Avenue e 11th Avenue. Na West 24th Street, você encontrará a 303 Gallery, com exposições fotográficas e instalações interessantes. Mais adiante na mesma rua, fica a Gladstone Gallery, um espaço dedicado à arte conceitual e filosófica. Deixe a arte de vanguarda um pouco de lado e conheça a livraria Printed Matter, na esquina da 10th Avenue e da West 23rd Street, para folhear milhares de livros de arte.

Mercado de Chelsea

Chelsea Market

O melhor lugar para um bom café da manhã ou um almoço rápido é o Chelsea Market. O prédio do mercado pertencia à National Biscuit Company, a empresa que inventou o famoso biscoito Oreo. Atualmente, o mercado abriga diversos serviços de bufê e lojas. De cupcakes perfeitos a pães orgânicos e de sushis elaborados a sopas caseiras, tudo é igualmente irresistível. O prédio da antiga fábrica já vale a visita.

Créditos das fotos

  • Arte nas ruas: Sean Pavone, Shutterstock
  • Mercado de Chelsea: littleny, Shutterstock