KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Obra-prima de Da Vinci

A igreja Santa Maria delle Grazie tornou-se mais popular do que nunca nos últimos anos. Desde o livro best-seller “O Código Da Vinci” de Dan Brown e da bem-sucedida adaptação do livro para filme, essa igreja atrai multidões ainda maiores que antes. Elas vêm ver o mural de “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. O mural, que retrata Jesus com seus discípulos na noite antes de ser traído por Judas, está intricadamente ligado à história dessa igreja.

A igreja na qual Da Vinci pintou “A Última Ceia” foi construída no final do século XV sob a orientação do arquiteto Guiniforte Solari. Após sua conclusão, uma alcova da igreja foi imediatamente demolida e a igreja foi reprojetada pelo famoso arquiteto renascentista Donato Bramante, resultando em uma das mais belas construções renascentistas de Milão. Dentro da igreja, é possível ver a diferença entre a nave de Solari com arcos pontudos completamente cobertos por afrescos detalhados, e o design leve e austero das alcovas de Bramante. O prédio foi gravemente danificado por um bombardeio aliado em 1943. Felizmente, o famoso mural de Da Vinci permaneceu intacto, porque a parede recebeu sacos de areia como uma precaução.

A intimista igreja Santa Maria delle Grazie
A intimista igreja Santa Maria delle Grazie

Milão

O maior pintor de todos os tempos

Milão sempre foi a cidade de Leonardo da Vinci, embora ele não tenha nascido aqui. Esse mundialmente famoso pintor renascentista era, como seu nome sugere, de Vinci, uma vila próxima a Florença. Ele nasceu como um filho ilegítimo indesejado – não o melhor dos destinos para uma criança do século XV. Aos 14 anos, Da Vinci se mudou para Florença e depois para Milão. Ele é considerado um dos melhores pintores de todos os tempos, embora também tenha sido escultor, arquiteto, filósofo, físico e engenheiro - um verdadeiro “Homem Renascentista” antes de o termo ter sido cunhado.

“Da Vinci comprou uma bíblia especialmente para realizar pesquisas para “A Última Ceia””

A obra-prima de Da Vinci, “A Última Ceia”

Manchas na parede

A obra-prima de Da Vinci retrata o momento logo antes de Jesus dizer aos seus 12 discípulos que um deles o trairia antes do nascer do sol. O artista retrata realisticamente a surpresa em seus rostos e em sua linguagem corporal. Esse mural não é um afresco, mas uma pintura em têmpera, uma técnica que permitia que os artistas criassem nuances sutis. Mas, uma vez que essa técnica era menos durável, manchas apareciam rapidamente na pintura, tornando-a de difícil restauração.

Créditos das fotos

  • A obra-prima de Da Vinci, “A Última Ceia”: Renata Sedmakova, Shutterstock