KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Mergulhando entre navios naufragados

Corais de cores vivas, peixes tropicais e uma água cristalina agradavelmente morna – há mergulhos fantásticos a se fazer em torno de Bonaire. O fundo do Mar do Caribe é cheio de navios naufragados, o que proporciona aos mergulhadores uma experiência única e empolgante.

Os naufrágios são locais onde a vida marinha floresce. Os destroços funcionam como uma espécie de recife: peixes e outras criaturas marinhas gostam de se abrigar entre os velhos cascos e tábuas. O mergulho em naufrágios tem um elemento empolgante, porque os navios afundados em geral contam uma história interessante e por vezes trágica, que sem dúvida dá um realce ao seu tour de mergulho. Apresentamos os destroços de mergulho mais interessantes em Bonaire.

Um naufrágio coberto de coral
Um naufrágio coberto de coral

Bonaire

“12 toneladas de maconha foram encontradas atrás de uma placa estranha no casco do navio”

O Hilma Hooker

A história do Hilma Hooker daria um ótimo roteiro de filme. Em 1984, o navio enfrentou problemas técnicos ao largo da costa de Bonaire. As autoridades portuárias ofereceram ajuda, mas esta não foi aceita. O Hilma Hooker ficou atrás da Klein Bonaire por uma semana, e isso naturalmente levantou suspeitas das autoridades alfandegárias, que rebocaram o navio para o porto. Uma busca minuciosa a bordo nada encontrou, mas uma equipe de mergulhadores descobriu uma placa estranha no casco do navio. Por trás dessa placa, eles encontraram impressionantes 12 mil quilos de maconha. As autoridades não conseguiram determinar a quem pertencia o navio, e por isso ele foi rebocado para a costa oeste de Bonaire. Aí ele se deteriorou até por fim naufragar.



As escolas de mergulho locais imediatamente entraram em ação e transformaram o naufrágio num fantástico e seguro ponto de mergulho. Hoje o Hilma Hooker está coberto por uma linda camada de coral e esponjas e abriga uma rica vida marinha tropical. Certifique-se de que alguém de seu grupo de mergulho traga uma câmera fotográfica e não esqueça de posar diante da gigantesca hélice do navio – uma vista espetacular.

A hélice do Hilma Hooker

O Hesper

Os destroços do Hesper encontram-se a cerca de 40 metros de profundidade. O proprietário, Capitão Don, tinha comprado o navio por apenas US$150 e estava ocupado reformando-o. Ele afundou em 1988, quando o Furacão Gilbert deixou um rastro de destruição no Caribe, e mais tarde o navio foi descoberto no fundo do oceano. O naufrágio é um lugar incrível para se fotografar. O local é também popular entre pequenos e inofensivos tubarões.

Encontro com um pequeno tubarão
Uma grande moreia

O naufrágio do Tug

O Tug, um naufrágio pequeno mas muito interessante, encontra-se nas águas próximas ao Bonaire Great Adventures Center. Muitos peixes coloridos cercam o navio, e em geral a cabine é o melhor lugar para se encontrar uma moreia muito grande – a habitante mais interessante do naufrágio. O Tug é um ponto de mergulho muito popular, ao qual se chega facilmente a partir da praia, e normalmente é melhor explorá-lo em dia de semana.