KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A exótica Philipsburg

Graças a suas numerosas lojas, cafés e hotéis, Philipsburg é um dos lugares mais animados da ilha de São Martinho. Gigantescos navios de cruzeiro e luxuosos iates lançam âncoras na baía de mar azul descoberta em 1493 por Colombo, embora indígenas já vivessem aqui. Philipsburg é a capital da parte holandesa da ilha e está localizada na linda praia de areia branca de Great Bay.

No século XVI, tanto os navegadores holandeses, espanhóis e franceses, quanto os piratas da região do Caribe estavam interessados nesta charmosa ilha. Não só ela tinha baías protegidas, como também tinha uma grande salina. Naquela época, o sal era importante para preservar a carne e o peixe a bordo dos navios. John Philips, um capitão escocês a serviço da marinha holandesa, fundou a cidade de Philipsburg na pequena faixa de terra entre o mar e a salina, em 1763.

O píer de madeira em Philipsburg
O píer de madeira em Philipsburg

São Martinho

O tribunal de justiça de 1793

Arquitetura colorida

A ilha exibe lindas casas coloniais em alegres cores antilhanas e uma igreja inglesa cercada de palmeiras. Com a Oranjeschool em tons pastéis e o antigo tribunal de justiça, as quatro ruas principais de Philipsburg formam juntas uma mistura colorida de influências holandesas, inglesas e nativas. Você pode encontrar todas as estórias e a história no charmoso pequeno Museu Saint Martin na Front Street.
O passado da ilha também pode ser explorado fora da cidade. Na ponta da península entre Great Bay e Little Bay encontram-se as ruínas de Fort Amsterdam. Ele foi construído em 1631 como primeira fortaleza militar no Caribe, e pode-se chegar lá por uma trilha de caminhada que começa no Divi Little Bay Resort. Hoje em dia, só restam uns poucos muros e alguns canhões enferrujados, mas as vistas espetaculares de Great Bay e das ilhas vizinhas continuam as mesmas. As ruínas também estão situadas em meio à natureza encantadora, com catos altos e pelicanos marrons mergulhando das rochas em busca de peixes.
Vista de Fort Amsterdam

Fazer compras e relaxar

Além das exóticas cores locais, Philipsburg é também conhecida pela quantidade de opções para compras e por sua vida noturna. Front Street, a primeira rua à beira-mar, é um paraíso de zona franca, isenta de impostos, com lojas que vendem joias, perfumes e artigos de luxo e suvenires. O Guavaberry Emporium também fica aqui, uma loja de bebida feita com a fruta local guavaberry (no Brasil, cambucá). Você também cruzará com essa bebida alcoólica em vários bares (o lugar perfeito para provar uma guavaberry colada), assim como nos resorts, cassinos e casas noturnas de Philipsburg. Um lugar recomendável é o Ocean Lounge no Holland House Beach Hotel, com sua grande área para sentar ao ar livre e música ao vivo, localizado bem à beira-mar, em Great Bay.
Great Bay Beach, a praia de Philipsburg

Créditos das fotos

  • O tribunal de justiça de 1793: Vakantiestmaarten.nl