KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Seguindo as pegadas de Nelson Mandela

A prisão de Robben Island é um dos mais conhecidos remanescentes do regime africano do apartheid. A ilha ganhou fama mundial quando foi prisão de Nelson Mandela por 18 anos.

O nome de Robben Island se deve às inúmeras focas encontradas aí pelos colonos holandeses (robben é foca em holandês). Já em 1652, a ilha foi usada pela Companhia das Índias Orientais como prisão para marinheiros indisciplinados. As fortes correntezas e a água gelada fizeram de Robben Island um lugar absolutamente seguro. Nos quase 400 anos em que a ilha foi usada como prisão, apenas 3 prisioneiros conseguiram escapar e chegar vivos à terra firme.

Vista aérea da prisão
Vista aérea da prisão

Cidade do Cabo

Table Mountain vista de Robben Island

Condenado a Robben Island

Por sua localização isolada, de 1846 a 1931 Robben Island foi um hospital para doentes e loucos, transformando-se mais tarde no maior leprosário do Cabo. Durante a Segunda Guerra Mundial, a ilha tornou-se uma base militar e, em 1959, foi transformada na prisão de segurança máxima do regime sul-africano do apartheid.

Nelson Mandela chegou a Robben Island em 1964, depois de ter sido acusado de planejar uma guerra de guerrilha contra o regime do apartheid. Durante sua prisão, Mandela trabalhou com frequência na jazida de cal da ilha. O brilho ofuscante da luz e a poeira fina na pedreira branca de cal lhe causaram um dano permanente aos olhos. Os prisioneiros usavam seu tempo na mina para falar sobre política e trocar informações.

Mandela queria encorajar seus companheiros de prisão a continuar se desenvolvendo. Eles organizavam periodicamente palestras secretas sobre vários temas. Os prisioneiros também se referiam à ilha como a Universidade Robben Island, e mais tarde a chamaram de Universidade Nelson Mandela. Em 1982, depois de ter passado 18 anos na prisão de Robben Island, Mandela foi transferido para a Prisão de Pollsmoor na Cidade do Cabo.

A primeira prisão de Nelson Mandela

Visita guiada por prisioneiros

Robben Island tornou-se um museu em 1997 e está aberta ao público. Quatro vezes por dia, um barco vai do Nelson Mandela Gateway até a ilha, onde um ônibus de turismo leva os visitantes aos locais mais importantes. No percurso, os guias explicam sobre a história, os residentes e o meio ambiente da ilha. A maior atração é sem dúvida o complexo penitenciário. A visita guiada da prisão é orientada por antigos detentos, muitos dos quais foram encarcerados na mesma época de Mandela.
Barco no cais de Robben Island