KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Forte Orange, guia costeiro

O Forte Orange está localizado no centro de Kralendijk, a capital de Bonaire. A pequena fortaleza remonta a 1639, fazendo dela o edifício de pedra mais antigo da ilha. Ela leva o nome da família real holandesa e lembra aos visitantes do passado colonial da ilha. Com o farol à vista desde mar alto, os navios holandeses chegavam com segurança ao porto.

Os pesados canhões e o impressionante paredão de quatro metros de altura contam a história: O Forte Orange foi estabelecido pelos holandeses para defender a ilha. No século 20, ele serviu como prisão, delegacia de polícia e quartel dos bombeiros, entre outras funções. Atualmente a fortaleza exibe objetos da história de Bonaire.

A Bonaire colonial

Em 1499, os espanhóis foram os primeiros europeus a pisar a terra de Bonaire. Eles foram embora rapidamente, no entanto, decepcionados com a falta de ouro. Em 1636 a ilha passou para as mãos holandesas, liderados pelos comerciantes da Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais. Descobriu-se que Bonaire era ideal para a produção de sal, o ouro branco. Os holandeses estabeleceram plantações e, três anos depois, construíram o Forte Orange para proteger o precioso depósito de sal contra os ataques dos britânicos, dos franceses, dos espanhóis e até mesmo de piratas. Durante 300 anos, a riqueza de Bonaire dependia da produção de sal.
Em 1804 Bonaire foi ocupada pelos britânicos, mas os holandeses recuperaram a ilha em 1816. Os edifícios de Forte Orange que ainda podem ser observados na ilha remontam a essa época. A Casa do Governador, onde os comandantes da ilha moraram até 1837, também foi construída naquela época. Depois o edifício foi usado como prisão. Um farol de madeira foi construído em 1868. A versão de pedra atual data de 1932.
Em frente do forte, há um edifício de cor verde menta: o Departamento da Alfândega onde os capitães registravam sua chegada. O Escritório dos Comandantes também fica no local, com suas impressionantes escadas e varanda. Surpreendentemente, talvez, a maior parte do edifício permaneceu vazia, apenas o piso superior foi usado pelos holandeses.

+ Ler mais

Veja o mapa

Forte Orange, Kaya C.E.B. Hellmund, Bonaire

Canhões silenciosos

Assim que o forte foi concluído, os holandeses colocaram quatro grandes canhões atrás dos altos paredãos. No entanto, as ferramentas de defesa nunca foram usadas, exceto para salvas de tiros. Eles não atiraram em nenhum inimigo, nem mesmo quando os britânicos chegaram para conquistar a ilha. Durante a ocupação britânica, a artilharia velha foi substituída por canhões britânicos, que estão em exibição até hoje.

Canhão no Forte Orange

Créditos das fotos

  • Canhão no Forte Orange: Photo Canon at Fort Orange: Roger Wollstadt, Flickr