KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Fort Worth: o verdadeiro Texas

Caubóis, gado e saloons: localizado a apenas 30 minutos de viagem a oeste de Dallas, Fort Worth é tudo o que se pode imaginar que o Texas seja. No século XIX, Fort Worth Stockyards – um enorme mercado de animais – ficava bem no centro da cidade. As vacas há muito já se foram, mas a área ainda é próspera. O bairro, com seus armazéns tradicionais e mercados, é um destino popular entre turistas e moradores locais.

Em 1976, Stockyards (que literalmente quer dizer currais) foi transformado em distrito histórico. As 46 construções originais sediam agora em geral lugares de diversão e compras, com sabor de Faroeste. Além de bares e discotecas, você também encontrará um “opry” (um palco de música country) e um rodeio. Fort Worth ostenta com muito orgulho sua imagem de “cidade do gado”.

A entrada dos currais
A entrada dos currais

Dallas

Uma antiga estação ferroviária em Fort Worth

Comércio de gado em Fort Worth

No século XIX, Fort Worth era a última parada onde os vaqueiros – os cauibóis – podiam descansar e comprar suprimentos, antes de entrar no território indígena hostil. Ao longo do tempo, o comércio de gado desenvolveu-se e passou a ser uma importante atividade econômica. Só entre 1866 e 1890 cerca de 4 milhões de vacas foram negociadas aqui. Fort Worth passou a ser conhecida por seu apelido “Cowtown”, a cidade do gado. Uma animada vida noturna veio na esteira do próspero comércio: Hell’s Half Acre (“o meio acre do inferno”), um distrito de lazer desordenado, rapidamente ganhou fama em todo o Velho Oeste. Os dias de glória de Stockyards vieram com a inauguração da rede ferroviária, em 1876. Fort Worth era o maior ponto de comércio de gado do país, e o número de bovinos transportados por trem aumentou enormemente. No entanto, com a pavimentação de estradas e a expansão do sistema rodoviário, os caminhões de transporte logo se destacaram, fornecendo uma alternativa mais flexível e barata aos trens. Isso foi o início do fim de Stockyards. Em 1976, Fort Worth Stockyards foi declarado Distrito Histórico Nacional, para preservar esta área especial. Hoje, é um dos destinos mais populares para viagens curtas de um dia, a partir de Dallas.
Vacas da raça Longhorn

O Museu de Stockyards

O Livestock Exchange Building original, de 1902, fica no centro do distrito de Stockyards. Hoje abriga o Museu de Stockyards, que dá vida à ilustre história de Fort Worth. As exposições incluem itens do dia a dia utilizados pelos caubóis, como selas antigas, e também objetos da indústria de processamento de carne daquela época. Outra exposição interessante conta a história de várias tribos indígenas que antigamente povoavam esta região.
Livestock Exchange, o mercado de animais

Créditos das fotos

  • Vacas da raça Longhorn: Jeremy Wilbrun, Flickr
  • Livestock Exchange, o mercado de animais: Nicolas Henderson, Flickr