KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O bizarro parque de esculturas de Gustav Vigeland

O parque não é apenas a atração turística mais popular da Noruega, mas o maior parque de esculturas de um único artista do mundo: a coleção de 212 estátuas de pedra, bronze e ferro fundido de Gustav Vigeland no Parque Vigeland. O parque está aberto 24 horas por dia, os 365 dias do ano e a entrada é gratuita. Desde o ‘Little Hot-Head – Pequeno cabeça quente’ à imponente ‘Monolith – Monólito’, é um prazer ver as estátuas em tamanho real, tanto no verão como no inverno.

Que melhor obra-prima poderia querer um escultor? Por 20 anos, Gustav Vigeland (1869-1943) trabalhou em uma exposição ao ar livre no quintal de sua casa e estúdio em Frogner, um bairro de Oslo. O lugar se transformou em um parque com 212 esculturas de granito e bronze. Vigeland não só criou todas as esculturas, mas também desenhou o parque, incluindo a arquitetura do jardim, pontes, fontes e recintos. Mas ele nunca pôde desfrutar de seu parque em toda a sua glória, já que todas as esculturas só foram colocadas no parque em 1950, 7 anos depois de sua morte.

Tirando uma foto com o Little Hot-Head

Muitas das esculturas em tamanho real possuem dezenas de esculturas menores, como a ponte com 58 homens, mulheres e crianças nus, em todas as poses imagináveis. ‘Sinnataggen’ (Little Hot-Head – Pequeno cabeça quente) — um garotinho batendo o pé no chão com raiva – é a escultura mais adorada do parque. Ele é muitas vezes chamado de “A Mona Lisa de Vigeland”. Ele é tão adorado que suas mãos e pés brilham porque todos o tocam ao tirar uma foto com ele. Não tão longe daí está a ‘Livshjulet’ (Wheel of Life – Roda da Vida), um ciclo vicioso de pessoas entrelaçadas, com um diâmetro de 3 metros.
A entrada do parque também é impressionante; um grande portão com figuras masculinas estilizadas em diferentes fases da vida estão incrustadas em pilares de granito coroados com lanternas de ferro fundido. O destaque literal e figurado do parque é o ‘Monolitten’ (Monólito), uma coluna de 14 metros de altura localizada no ponto mais alto do parque; uma construção impressionante na qual 3 talhadores de pedra passaram 14 anos trabalhando diariamente sob a supervisão de Vigeland. Construído com apenas um único bloco gigante de granito, as 121 figuras da escultura parecem estar escalando uma sobre a outra em direção ao céu, em uma espécie de metáfora sobre o desejo das pessoas em relação ao divino e ao espiritual.
A maioria das esculturas está posicionada em 5 grupos ao longo da avenida de 850 metros de cumprimento. Ao sul do parquet está o estúdio de Vigeland, o qual for preservado em seu estado original desde sua morte em 1943. O estúdio, hoje um museu, é bastante popular e recebe 1,5 a 2 milhões de visitantes todos os anos.

O Monolith

O escultor mais famoso da Noruega

Gustav Vigeland (1869-1943) nasceu e cresceu em Mandal, sul da Noruega. Quando criança, ele era fascinado por religião, espiritualidade, desenho e esculturas, uma combinação que o marcaria para o resto de sua vida. Seus pais o enviaram a Oslo para aprender uma profissão – cortar madeira – na escola técnica. Ele recebeu uma subvenção do estado e a usou para viajar por toda a Europa. Depois de Copenhagen, Berlim e Florença, ele chegou a Paris, onde trabalhou no estúdio de Auguste Rodin. De volta a Oslo, ele se transformou no mais famoso e mais produtivo escultor da Noruega.

Créditos das fotos

  • O Monolith: Tutti frutti, Shutterstock