KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Nas celas de Alcatraz

Um local tétrico, usado por muitos anos para encarcerar os criminosos mais perigosos dos Estados Unidos; essa é a primeira associação que se faz ao ouvir falar da Ilha de Alcatraz. Apesar de gângsteres famosos como Al Capone terem ficado presos aqui, a ilha também possui outra história surpreendente. Alcatraz é mais que apenas uma prisão.

A ilha dos pelicanos é a tradução literal de ‘La Isla de los Alcatraces’, como os espanhóis a chamaram quando chegaram aqui em 1775. Na época a ilha era habitada por essas aves e Alcatraz continua sendo o lar de muitas espécies de pássaros. Antes de ser usada como prisão, a ilha também foi um forte militar que protegia os Estados Unidos durante a corrida do ouro em meados do século XIX, quando garimpeiros viajaram em massa para a costa californiana para tentar a sorte.

Ilha de Alcatraz

A primeira prisão militar

Quando a febre do ouro diminuiu, o forte foi convertido em uma base de detenção militar durante a Guerra Civil Americana, sendo assim a primeira prisão militar do país. As instalações foram ampliadas conforme o número de prisioneiros aumentou. Em 1934, a Ilha de Alcatraz passou a ser administrada pelo 'Federal Bureau of Prisons' e se tornou uma prisão federal.

Batendo as portas das celas

Com certeza as histórias emocionantes de criminosos e as inventivas tentativas de fuga fazem de Alcatraz a atração mais famosa de São Francisco. Ao entrar na prisão, cada visitante recebe um tour de áudio. O tour está disponível em vários idiomas, mas recomendamos a versão em inglês para ouvir as vozes originais de ex-presos, que falam sobre o tempo que passaram na ‘Roca’, uma das alcunhas da ilha. Os sons, como por exemplo os de portas de celas batendo, dão vida às histórias. Ao olhar a cidade ao longe pelas pequenas janelas é possível imaginar como deveria ser estar preso neste local.

Nos 29 anos que Alcatraz foi uma prisão federal, houve nada menos que 14 tentativas de fuga. Essas tentativas envolveram um total de 36 prisioneiros, dos quais 13 conseguiram desaparecer da ilha para sempre.

Aprisionado em Alcatraz
As solitárias de Alcatraz

Protesto dos povos nativos dos Estados Unidos

Em 1969, 6 anos depois da prisão ser fechada, a ilha virou notícia ao ser ocupada por povos nativos. Eles protestavam por seus direitos civis limitados, deixando claro ao governo dos Estados Unidos que desejavam preservar sua identidade cultural. O protesto durou quase 2 anos. Por fim, em 1972, a ilha foi denominada um Parque Nacional e um ano depois abriu as portas para visitantes. Aproximadamente um milhão de pessoas visita Alcatraz por ano.