KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Seguindo os passos de Edvard Munch

O Grito de Edvard Munch é sem dúvida a pintura norueguesa mais famosa. A imagem de um homem com sua boca bem aberta, olhos cheios de terror e mãos sobre as orelhas é conhecida no mundo inteiro. Essa pintura é considerada a obra inaugural do Expressionismo, o estilo artístico dominado pelas emoções (em vez da realidade). Munch fez quatro versões de O Grito.

“O sol estava se pondo – de repente, o céu ficou vermelho-sangue – eu parei, sentindo-me exausto, e me inclinei por cima do muro – havia sangue e línguas de fogo acima do fiorde azul-preto e da cidade – meus amigos continuaram andando, e eu fiquei ali parado, tremendo de ansiedade – e senti um grito infinito passando pela natureza”. Munch encontrou inspiração para sua futura obra-prima enquanto andava na Colina de Ekeberg, perto de Oslo. Siga as pegadas de Edvard Munch em torno do Fiorde de Oslo, por cenários de suas pinturas, museus e estúdios.

O “Grito” vendido por 90 milhões de euros
O “Grito” vendido por 90 milhões de euros

Oslo

O Grito na Nasjonalgalleriet

Onde se encontra hoje O Grito?

Em 2012, um americano multimilionário pagou 90 milhões de euros por uma das versões de O Grito, em pastel sobre cartão – um recorde para a pintura mais cara em uma coleção particular. As outras três versões ainda estão em exibição em Oslo. A original (óleo sobre tela) está exposta na sala Munch da Nasjonalgalleriet (Galeria Nacional). A tela foi roubada no dia da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Lillehammer, em 1994. Os ladrões deixaram um bilhete: “Obrigado pela segurança precária”. A obra foi recuperada alguns meses depois.

+ Ler mais

Veja no mapa

Nasjonalgalleriet, Universitetsgata 13, Sentrum, Oslo

Museu de Edvard Munch

Duas outras versões de O Grito, um óleo e um pastel, estão em exibição no Museu Munch em Tøyen.  O museu possui cerca de 20 mil obras de Munch, o que representa a metade das obras do artista. Os ladrões de arte também atacaram esse museu. Em 2004, dois homens mascarados e armados levaram O Grito e a Madonna de suas paredes em plena luz do dia. As pinturas reapareceram dois anos depois.

+ Ler mais

O Grito no Museu Munch

Veja no mapa

Munchmuseet, Tøyengata 53, Tøyen, Oslo
Ekeberg: o cenário que inspirou O Grito

O Grito ecoou sobre Ekeberg

Edvard Munch encontrou inspiração para O Grito enquanto andava pela Colina de Ekeberg, aonde se pode ir de bonde 18 ou 19. Todos os dias, ele encontrava seu amigo Henrik Ibsen, o famoso dramaturgo e poeta, no café da moda localizado no Grand Hotel. Ele passou sua juventude em 5 endereços diferentes em Grünerløkka, um bairro operário naquela época e que hoje está na moda. Também fica perto de onde ele está enterrado, com vários outros noruegueses famosos: o cemitério Vår Frelsers Gravlund.

+ Ler mais

Veja no mapa

Ekeberg, Oslo

Créditos das fotos

  • O Grito na Nasjonalgalleriet: Edvard Munch: The Scream, 1893, National Museum of Art, Architecture and Design, Oslo, © Munch Museum / Munch-Ellingsen Group / BONO, Oslo 2014
  • O Grito no Museu Munch: Edvard Munch: The Scream, 1893, National Museum of Art, Architecture and Design, Oslo, © Munch Museum / Munch-Ellingsen Group / BONO, Oslo 2014