KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Influências internacionais em Milão

“Franza o Spagna purche se magna” é um ditado popular cínico que pode ser traduzido como “França ou Itália, pouco importa, contanto que possamos comer”. Do século 16 ao século 19, Milão foi dominada por espanhóis, austríacos e franceses. Muitas construções e praças ainda guardam influências dessa dominação.

Os espanhóis, que dominaram a cidade de 1535 a 1706, construíram novos muros no início do período de dominação. Atualmente, a Porta Romana é o último exemplar dessas construções. O muro espanhol não está mais de pé, mas o portal ainda pode ser visitado. A Porta Romana fica na Piazza Medaglie d'Oro, a cerca de dois quilômetros do centro da cidade.

Um centro do Iluminismo

O domínio espanhol foi encerrado em 1706, quando Milão foi ocupada pelas tropas austríacas. O século 18 foi um período de revitalização econômica e cultural. A cidade foi beneficiada com a boa administração da Imperatriz Maria Theresa (1740-1780) e se tornou um dos centros do Iluminismo.
 
Um arquiteto importante desse período foi Giuseppe Piermarini, que projetou a casa de ópera Teatro alla Scala. O teatro foi bombardeado em 1943 e reconstruído três anos depois. Depois de uma recente reforma, ele recuperou o brilho original. Com uma área de 1.200 metros quadrados, o podium é um dos maiores palcos da Itália. O interior em madeira tem detalhes em veludo vermelho e estuque. Fundado em 1913, o Museo Teatrale, um museu dedicado ao teatro, possui uma maravilhosa coleção de esculturas, partituras originais e cerâmicas. Quem se interessa pela história da ópera italiana adorará conhecer esse local.

+ Ler mais

O Teatro alla Scala

Veja a localização no mapa

Teatro alla Scala, Via Filodrammatici, 2, Milan

As vitórias de Napoleão

A vida cultural de Milão continuou agitada quando os austríacos foram expulsos pelo exército de Napoleão, em 1796. Milão se tornou a capital da República Cisalpina, em 1797, e Napoleão foi coroado Rei da Itália, em 1805. Construído no final do Parco Sempione durante o reinado de Napoleão, o Arco della Pace ficou inicialmente conhecido como Arco das Vitórias. Quando os austríacos recuperaram Milão, o Imperador Francisco I mudou o nome da construção para Arco da Paz (depois do tratado de 1815).

O Arco da Paz