KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Arte do Kremlin

O Kremlin simboliza a igreja russo-ortodoxa, os czares e o comunismo, tudo em um único lugar. Com o tempo, o complexo murado no centro de Moscou tornou-se o centro russo de arquitetura e ícone de arte. Há exposições importantes durante todo o ano que dão vida à história da federação.

A construção do Kremlin moderno, uma cidadela fortificada, começou no final do século XV. O arquiteto italiano Aristotele Fioravanti projetou a Catedral de Assunção, onde, durante séculos, os czares foram coroados. Vários líderes religiosos foram sepultados aqui. A parede de pedra ao redor do Kremlin foi construída para proteger os cidadãos de Moscou contra ataques. Até o século XX, o complexo passou por várias construções, demolições e reformas. O resultado é uma variedade de catedrais, igrejas e prédios do governo que se alinham nas margens do rio Moscou.

O Kremlin ao longo do rio Moscou
O Kremlin ao longo do rio Moscou

Moscow

Dentro das muralhas

As temperaturas impetuosas em 1812 foram a razão pela que o Kremlin foi preservado. Este foi o ano em que Napoleão ocupou o complexo do governo por um mês. Ele ordenou que seu exército explodisse o Kremlin, mas devido às chuvas fortes a sua ordem só foi parcialmente cumprida. O Palácio do Patriarca é um dos edifícios que foi poupado; hoje ele exibe jóias, objetos domésticos e mobílias do século XVII. Adjacente ao palácio encontra-se a Igreja dos Doze Apóstolos. A igreja particular dos patriarcas russos, encomendada como parte de uma residência, é famosa por seu painel de madeira dourado adornado com belos ícones.

Assim como algumas pinturas incríveis nos muros, a Catedral de Assunção com 5 cúpulas também abriga uma iconóstase, partição composta por ícones religiosos do século XVII. A igreja também contém diversos ícones mais antigos. Do lado de fora deste santuário, perto dos muros, encontramos os túmulos de vários líderes da igreja. Não deixe de visitar o Campanário de Ivã (o Grande), a coleção de armas na Câmara do Arsenal e o Jardim de Alexandre, localizado não muito longe do Kremlin.

A Catedral de Assunção
O mausoléu na Praça Vermelha

Comunismo preservado

Vladimir Lenin, um dos líderes mais influentes do século XX, pode ser visto em um túmulo a Praça Vermelha. Após a morte de Lenin, em 1924, Josef Stalin decidiu preservar o pai do comunismo por toda a eternidade. Cientistas russos levaram seis meses para desenvolver um produto químico para embalsamamento capaz de impedir a decomposição do corpo de Lenin. A múmia está em exposição em um túmulo de granito na praça. A troca de roupa ocorre em intervalos de alguns anos.