KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Monumento ao genocídio de Ruanda

Nenhum evento teve maior impacto sobre a história de Ruanda do que a guerra civil de 1994. Num período de 100 dias e sob o olhar atento de uma força de paz da ONU, os hutus sistematicamente assassinaram mais de um milhão de tutsis. O Genocide Memorial Centre (Memorial do Genocídio) em Kigali é um monumento a um dos mais sangrentos genocídios da história mundial.

O Genocide Memorial Centre de Kigali foi inaugurado no 10º aniversário do genocídio, em 2004. O Memorial situa-se no subúrbio de Gisozi, no local onde 250 mil pessoas foram enterradas numa sepultura coletiva – um número surreal. Três exposições permanentes explicam como isso ocorreu: como a tensão cresceu entre os grupos étnicos no pequeno país africano, o que detonou o genocídio e como essa tragédia se desdobrou sob o olhar atento de uma significativa força de manutenção da paz das Nações Unidas.

Genocide Memorial Centre em Kigali
Genocide Memorial Centre em Kigali

Kigali

Um episódio sombrio na história

A população de Ruanda é composta por uma grande maioria de hutus (90 por cento) e uma pequena minoria de tutsis (9 por cento). Tradicionalmente, os tutsis mantinham o comando: por volta do século XV, Ruanda era governado por um rei tutsi e os pobres hutus viviam oprimidos. Sob o domínio colonial belga, as diferenças entre os dois grupos populacionais acirraram-se mais ainda.


Depois da independência do país, em 1962, a maioria hutu rebelou-se expulsando a elite tutsi. Com os hutus no poder, a situação continuou explosiva, e as Nações Unidas enviaram uma força de manutenção da paz para a região. Dia 6 de abril de 1994, o avião do presidente hutu, Juvenal Habyarimana, foi abatido perto do aeroporto, inflamando uma situação já tensa. Tutsis e hutus foram massacrados a facão e jogados em valas comuns. Devido a um mandato falho, mas especialmente devido à falta de interesse dos Estados-Membros da ONU no massacre, as forças de paz não intervieram, com resultados desastrosos.

“Já no século XV, Ruanda era governado pelo rei tutsi, e os hutus eram oprimidos”

Três exposições oferecem conhecimento

De volta ao Hotel Ruanda

A exposição oferece informações sobre o período de preparação, o período dos acontecimentos e o período de rescaldo desse episódio sombrio da história de Ruanda. Aqueles que tiverem interesse podem visitar outros lugares. Um desses lugares é o Hôtel des Mille Collines, agora operado pela rede de luxo Kempinski, que na época serviu de abrigo para os refugiados tutsi, como mostrado no filme “Hotel Ruanda”, de 2004. O antigo palácio presidencial é hoje um museu e em seu jardim encontram-se os destroços do avião presidencial. O memorial nacional do genocídio e um centro de memória/monumento ficam a 30 quilômetros de Kigali, em Nyamata.

Créditos das fotos

  • Três exposições oferecem conhecimento: Flickr: lucianf