KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Bairros com pubs históricos

Durante o apartheid, a maioria dos pubs eram proibidos para os negros. Como resultado, bares ilegais apareceram nos povoados; lugares onde as pessoas se encontravam para beber, conversar e ouvir música. Na nova África do Sul, estes ‘shebeens’ se tornaram destinos noturnos populares. Aqui, você poderá desfrutar de um drinque em uma atmosfera informal, acompanhado de moradores locais.

O termo ‘shebeen’ se origina da palavra irlandesa ‘síbín’, que significa uísque ilegal. Durante o apartheid, os shebeens não possuíam licença para vender bebida. A bebida era tradicionalmente destilada ou fermentada de forma caseira – geralmente pelas mulheres, as ‘shebeen queens’. Além de servir como um bar, os shebeens também eram um ponto de encontro para políticos negros, ativistas e advogados, um local onde podiam falar livremente sobre questões políticas e sociais, fazendo deles uma parte indispensável da luta contra o apartheid.

Um em cada esquina

Atualmente, os shebeens têm licença para vender bebidas e se tornaram pubs de bairro convidativos e aconchegantes. Os proprietários contam com alegria as histórias do bairro, desfrutando uma cerveja ‘normal’ ou uma ‘umqombothi’, cerveja tradicional africana feita de milho. Geralmente, também contam com música ao vivo, de jazz e reggae a DJs que tocam ‘kwaito’, a versão sul africana da house music. A maioria dos shebeens servem refeições tradicionais simples (e às vezes muito apimentadas).

Há shebeens localizados em quase todas as esquinas dos povoados. Alguns possuem apenas quatro paredes e um telhado ondulado, enquanto outros se tornaram atrações populares. O Wandie’s Place, em Soweto, no distrito Dube é um dos locais mais populares. Nos anos 80, o dono Wandile Ndala escolheu seus clientes com cuidado, com medo de que seu bar ilegal fosse descoberto. Atualmente, todos sabem onde encontrá-lo e o lugar já recebeu a visita de clientes famosos como Richard Branson, Will Smith e Chris Rock.

Outros shebeens permaneceram exatamente iguais com o passar dos anos. O Robby’s Place em Pimville, por exemplo, onde os figurões da Aliança do Congresso assinaram a Carta da Liberdade em 1955, continua sendo o mesmo local simples e informal de sempre para aqueles que querem desfrutar de um bom drinque. Outros shebeens populares são o Tysons (também em Pimville), o Vardos (Mapetla), o The Rock (Rockville) e o Boyce (Diepkloof).

Modernidade em Greenside

Embora o Mamma’s (em Greenside) tenha sido inaugurado apenas em 2003 e não possa ostentar um passado ilustre, é um dos shebeens mais famosos de Johanesburgo. O interior colorido faz justiça aos povoados: o padrão zebrado nas paredes cria um ambiente africano caloroso, o clima é tranquilo e o menu de coquetéis é extenso. À noite, a festa é iniciada quando o DJ começa a tocar músicas. Também há musica ao vivo nas tardes de domingo, perfeito para um drinque relaxante ao entardecer.