KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O antigo Forte Zeelandia em Paramaribo

O Forte Zeelandia ergue-se orgulhosamente às margens do Rio Suriname à sombra dos mognos centenários. É aqui que Paramaribo se originou, e a pequena colônia de comércio fundada no local cresceu e se transformou na vibrante capital de 290 mil habitantes. Além de oportunidade para aprender mais sobre a história do Suriname, uma visita ao forte é também a possibilidade de admirar as belas vistas que se descortinam do terraço do café do museu.

Este é um dos poucos monumentos de pedra no centro histórico de Paramaribo, em sua maior parte construído em madeira. E são exatamente esses tijolos vermelhos caraterísticos, em meio à exótica vegetação e às palmeiras às margens do rio, que conferem um charme único ao Forte Zeelandia. O forte em forma de estrela tem três bastiões e vários edifícios que circundam um pequeno pátio. Os muros externos são cercados por casas brancas de madeira, com grandes varandas, construídas no século XIX como residência de oficiais do exército colonial holandês.

Povoamento holandês

Em 1614, os primeiros habitantes holandeses fundaram um entreposto comercial fortificado, feito de pedras de conchas, perto do vilarejo nativo às margens do rio. Em 1651, as tropas inglesas de Lord Willoughby conquistaram o assentamento e o transformaram numa verdadeira fortaleza. Eles permaneceram ali até 1667, quando foram expulsos pelos colonos holandeses, que batizaram o local de Forte Zeelandia. Os edifícios atuais do forte, em tijolos (os tijolos vieram da Holanda de navio) com venezianas verdes, telhados vermelhos e lampiões em ferro forjado, só foram construídos em 1784. Uma escadaria de pedra leva do pátio para a passarela que liga as três plataformas de observação com vistas deslumbrantes do rio cor de barro.

O Museu do Suriname

Atualmente o forte sedia o Museu do Suriname. Os vários prédios abrigam salões de época, com salas de exposição de pinturas e objetos históricos. Estas exposições retratam o passado indígena, a era colonial e as diferentes culturas étnicas do Suriname.


A antiga casa de pólvora apresenta uma farmácia do século XIX recriada com um balcão original e frascos de remédio. Uma das antigas celas de prisão agora funciona como lojinha dom, com azulejos azuis de Delft na parede. Você poderá comprar produtos de artesanato local, cartões postais e livros sobre o Suriname.


Aos domingos há tours guiados pelo forte. Além de cobrir a rica história do forte, o tour também mostra os castigos físicos aos quais os escravos eram submetidos. Uma placa em memória, colocada num dos bastiões, lembra uma tragédia mais recente, os assassinatos de dezembro de 1982. Os buracos de balas ainda são visíveis no muro na margem do rio: 15 opositores políticos do regime militar de Desi Bouterse foram executados aqui.

Maquete do primeiro forte
Jantar com uma vista para o rio

Jantar à beira d’água

O Forte Zeelandia possui um restaurante atraente, Baka Foto. De dia, você pode fazer uma pausa para um café, sanduíches e saladas. À noite, o restaurante oferece um lindo cenário para jantar, com uma vista para o Rio Suriname. A cozinha sofisticada serve pratos fusion da gastronomia internacional com influências do Suriname. Experimente por exemplo o pom com pato e laranja, ou um atum local preparado de quatro maneiras diferentes. Para uma refeição mais simples, escolha uma das lanchonetes na Waterkant, o calçadão próximo ao museu. Prove as especialidades locais, como a sopa “saoto” (sopa de frango com macarrão) e o telo trie (mandioca frita com pequeno peixe frito), regadas com a cerveja local Parbo.

Créditos das fotos

  • Maquete do primeiro forte: wisefly, Flickr
  • Jantar com uma vista para o rio: Brasserie & restaurant Baka Foto