KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A nave espacial de Oscar Niemeyer

Curiosamente, a mais famosa construção do Rio de Janeiro na verdade não se encontra no Rio, mas do outro lado da baía, em Niterói – uma cidade independente que abriga o Museu de Arte Contemporânea. O museu foi projetado pelo mais famoso arquiteto brasileiro, Oscar Niemeyer, e parece um disco voador branco como a neve, em marcante contraste com o céu (geralmente) azul.

Há mais de meio século, o arquiteto Oscar Niemeyer construiu uma nova capital inteira a partir de um esboço – Brasília, que hoje faz parte da lista de Patrimônios da Humanidade como marco da arquitetura modernista. Quando Niemeyer faleceu, em 2012, aos 104 anos, tinha tido uma vida produtiva longa e intensa. Aos 89 anos, Niemeyer desenhou o Museu de Arte Contemporânea com uma localização muito específica em mente: o promontório rochoso perto da linda praia de Boa Viagem, com vistas deslumbrantes do Morro do Pão de Açúcar e da impressionante silhueta do próprio Rio.

Um museu sem arte

O Museu de Arte Contemporânea (MAC) foi inaugurado em 1996. Os guias de viagem em geral apresentam pouca informação sobre as obras de arte exibidas no museu, porque o museu não tem uma grande coleção e exibe várias coleções temporárias de artistas brasileiros relativamente desconhecidos. As grandes janelas de vidro fumê, com vistas sobre a baía, rapidamente distraem os visitantes das obras de arte. Mas não se preocupe, o prédio em si e o cenário mais do que compensam a viagem para cruzar a baía. O MAC abre de terça-feira a domingo, das 10h às 18h.
Tome um catamarã, numa viagem de 10 minutos, ou uma barca de 20 minutos do Rio de Janeiro a Niterói, através da baía. Do terminal de barcas, você pode tomar um taxi ou ônibus até o MAC. A estrada litorânea vai de uma fortaleza portuguesa com uma pequena praia com uma mureta onde os moradores em geral pescam, antes de passar pela Ilha de Boa Viagem – uma pequena ilha com uma capela colonial – por ruínas de um forte e por uma pequena praia frequentada por banhistas locais. Depois da curva, aparece a nave espacial de Oscar Niemeyer.

“A nave espacial de Niemeyer pode ser vista logo depois da pequena ilha da Boa Viagem”

A vista distrai a atenção das obras de arte

A baía e o forte

Pode-se chegar a Niterói de catamarã ou de barca, do terminal de barcas da Praça XV de Novembro no Centro do Rio de Janeiro. Um quiosque no porto de Niterói oferece mapas com informação turística, chamados “Niterói em três dias”. Com um vizinho imponente como o Rio de Janeiro, Niterói pode ter dificuldades para atrair visitantes para três dias inteiros, mas é fácil passar um dia inteiro visitando a Ilha de Boa Viagem, admirando a magnífica baía e passeando pela Fortaleza de Santa Cruz, que data do século XVI. Nos fins de semana, há um tour de barco de hora em hora, que leva a esses três lugares.

Fortaleza de Santa Cruz
A pequena ilha de Boa Viagem perto do museu

Créditos das fotos

  • A vista distrai a atenção das obras de arte: epstock, 123rf
  • A pequena ilha de Boa Viagem perto do museu: William Kitzinger, Flickr