KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Otrobanda: o outro lado de Willemstad

A palavra Otrobanda, usada para denominar o bairro no lado oposto da famosa ponte móvel de Willemstad, significa “a outra margem” em papiamento. Muitas pessoas cruzam a ponte para tirar a conhecida foto com as casas coloridas de Handelskade, em Punda, ao fundo. Além dessa paisagem incrível, na outra margem também há vários restaurantes, hotéis de luxo e um excelente shopping.

Na época colonial, Willemstad cresceu tão rápido que foi criado um bairro na outra margem da Baía de Santa Ana. O “outro lado” logo se tornou a parte menos popular de Punda. Pessoas indesejadas na cidade eram acomodadas nessa área em casas modestas. A situação começou a mudar em 1888. Depois de abrir a Ponte Rainha Emma, comerciantes ricos se mudaram para a outra margem e deram início a uma nova era, construindo as espaçosas casas de mercadores vistas na Praça Brionplein.

Casas coloridas em Otrobanda
Casas coloridas em Otrobanda

Curaçau

Um hotel cinco estrelas incomum

Até o fim do século 19, o novo bairro de Otrobanda foi grande e sofisticado como Punda. Mas isso não durou muito tempo. Os armazéns e os palacetes coloniais foram abandonados e Otrobanda passou a ser habitado por criminosos. Mesmo assim, a UNESCO incluiu o bairro em sua lista de Patrimônios Culturais da Humanidade para evitar que a situação piorasse ainda mais. Isso atraiu o interesse do empreendedor e multimilionário holandês Jacob Gelt Dekker.
Dekker tinha um sonho. Ele comprou cem casas coloniais e as transformou em um lindo hotel cinco estrelas, com piscinas, lojas, restaurantes, bares, um spa e um museu da escravidão. O projeto foi um sucesso e o Kurá Hulanda, “Quarteirão Holandês” em papiamento, agora faz parte da prestigiada associação Small Luxury Hotels of the World. Muitos funcionários moram na antiga área problemática de Otrobanda, que foi amplamente restaurada desde a construção do hotel. Junto com Punda, Otrobanda agora faz parte do centro de Willemstad.

“Cem casas coloniais foram transformadas em um incrível hotel cinco estrelas.”

Resort em uma antiga casa colonial

De fortaleza holandesa a shopping

Outro excelente exemplo da transformação de Otrobanda é o Riffort, uma das oito fortalezas de Curaçao. Construído em 1828 na ponta leste da Baía de Santa Ana, seus 56 canhões garantiam a proteção do forte. Na Segunda Guerra Mundial, a fortaleza foi usada pelo exército americano, que fechou o porto aos submarinos alemães usando uma imensa rede de aço. A fortaleza foi abandonada depois da guerra até que uma nova utilidade foi encontrada: os muros super-resistentes de Riffort agora circundam um shopping de luxo, restaurantes sofisticados e um hotel cinco estrelas.

Créditos das fotos

  • Resort em uma antiga casa colonial: Charles Hoffman, Flickr