KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Soweto: o coração da cidade

Soweto, originalmente uma abreviação para "South Western Townships" (Municípios do Sudoeste), surgiu como um subúrbio que abrigava mineiros e trabalhadores negros. Esta cidade ao sudoeste do distrito de Joanesburgo simbolizou a luta contra o apartheid. Hoje em dia, Soweto é um reflexo vivo da nova África do Sul, onde uma série de monumentos notáveis serve como lembranças de um passado ilustre.

De favelas miseráveis e esgotos a céu aberto a extravagantes casas de campo e casas de exibição da BMW, Soweto é um bairro de contrastes. Esse potpourri cultural é o lar de uma mistura de línguas locais, gírias e africâner. É um bairro alegre cheio de música. Uma combinação vibrante de ricos e pobres, jovens e velhos, e passado e futuro é o que torna o Soweto tão único.

Soweto em revolta

A decisão do governo, em 1976, de educar as crianças em africâner em vez de inglês foi recebido com protestos em Soweto. Durante uma das marchas estudantis, Hector Pieterson, de 13 anos de idade, foi morto a tiros pela polícia. A imagem do menino sendo levado do protesto deu a volta ao mundo. O Memorial Hector Pieterson foi criado em 2002 para recordar esse verão de motins, que custou a vida de centenas de pessoas. Localizado perto de onde o assassinato ocorreu, este museu conta sobre os motins através de relatos de testemunhas, fotos e filmes.

Heróis do apartheid

Muitos combatentes antiapartheid famosos passaram parte de suas vidas em Soweto. Nelson Mandela viveu aqui por um período, assim como o Arcebispo Desmond Tutu. Ambos tinham suas casas na Vilakazi Street, no bairro de Orlando West, o que tornou essa rua a única no mundo na que dois ganhadores do prêmio Nobel viveram. Familiar para muitos devido às incontáveis aparições na TV de sua ex-esposa Winnie, a simples "casa caixa de fósforos" vermelho-tijolo onde Mandela viveu é agora um museu onde memórias, pinturas e fotos da família Mandela estão em exibição.

A antiga casa de Mandela é agora um museu

Metrópoles africanas

Joanesburgo pode ser uma metrópole moderna e acelerada, mas um caos mais agradável reina em Soweto. Isso pode ser claramente visto da passarela do Hospital Chris Hani Baragwanath, onde você pode observar o distrito, com o seu encantador caos de vendedores ambulantes vendendo suas mercadorias e compradores tentando negociar o melhor preço. Enquanto isso, transeuntes tentam conseguir um táxi para ir ao trabalho.