KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Passeando pela descolada Lipscani

Nenhum outro bairro de Bucareste passou por tantas mudanças nas últimas décadas como Lipscani. Até os anos 1980, esta parte do centro histórico da cidade, que recebeu o mesmo nome de uma de suas ruas principais, estava em franca decadência. Hoje, o bairro é o centro animado do cenário artístico romeno e um lugar famoso pela vida noturna.

Entre as duas Guerras Mundiais, Bucareste era conhecida como a “Pequena Paris”, mas o regime comunista programou a demolição de todo o distrito. Felizmente isso não aconteceu, e hoje Lipscani é provavelmente o bairro mais interessante da cidade. As ruas foram transformadas em áreas exclusivas de pedestres e são cheias de lojas da moda, pátios escondidos, antiquários e muitas galerias de arte.

O renascimento de um distrito urbano

As coisas mudam, e os habitantes de Bucareste sabem disso muito bem. Por séculos, Lipscani foi o vibrante centro comercial da cidade. Os nomes das ruas ainda fazem referência a diferentes guildas que exerciam seu negócio aqui: ourives, sapateiros e tanoeiros. Contudo, depois da Segunda Guerra Mundial, quando o regime comunista chegou ao poder, a “Pequena Paris” sumiu. O centro histórico deixou de ser seguro, na época do ditador Ceaușescu, mas, de alguma forma, Lipscani sobreviveu. O bairro não escapou completamente ileso, mas muitos dos edifícios foram restaurados nos moldes de sua antiga glória. Outrora lar de cães vadios e crianças em farrapos, o bairro agora é passarela de elegantes senhoras que frequentam vernissages nas galerias. Teatros “alternativos” ocuparam os prédios pichados, e bares e restaurantes multiplicam-se rapidamente. A área tem um ambiente muito descontraído, sem a presunção encontrada em casas noturnas de outras partes da cidade.

O velho e o novo, lado a lado, em harmonia
Uma noite charmosa em Lipscani

Caru' cu Bere

Os serviços no setor de hospitalidade em Bucareste nem sempre foram os melhores – por exemplo, o restaurante Cara’cu Bere, na Strada Stavropoleos, tinha fama de serviço deplorável. Mesmo assim, as pessoas continuaram vindo, já que ele tinha muito a oferecer: o magnífico interior com sua pista de dança, e uma excelente cerveja artesanal. Felizmente, essas coisas não mudaram, mas desde o início do novo milênio, o serviço melhorou muito. Do lado de fora há até um cartaz que diz: “Provavelmente o melhor restaurante de Bucareste”.

+ Ler mais

A melhor cervejaria de Bucareste

Veja no mapa

Strada Stavropoleos 5

Créditos das fotos

  • O velho e o novo, lado a lado, em harmonia: Radu Bercan, Shutterstock
  • Uma noite charmosa em Lipscani: joyfull, Shutterstock
  • A melhor cervejaria de Bucareste: George M. Groutas, Flickr