KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Aldeia de pescadores de Tai O

Arranha-céus cintilantes e imponentes shopping centers dominam o horizonte de Hong Kong. É difícil imaginar que essa metrópole não era nada mais do que uma vila de pescadores há 150 anos. Os pescadores moravam ali em palafitas sobre a água e pescavam para obter as refeições das suas famílias. Ainda é possível ver esse estilo de vida hoje na aldeia de pescadores de Tai O.

Hong Kong é mais diversificada do que a maioria das fotografias sugere. A aldeia de Tai O situa-se no extremo ocidental de Lantau, a maior ilha da região. A estrada ali passa por colinas desabitadas e ao lado de belas praias. Talvez devido à sua localização remota, essa aldeia de pescadores quase não mudou ao longo do século passado. Os barcos de pesca, pintados com todas as cores do arco-íris, ficam presos às palafitas sobre as quais as casas são construídas. Os pescadores negociam os peixes em pranchas entre as casas. Até parece que nem existem lojas.

Vilarejo pesqueiro de Tai O
Vilarejo pesqueiro de Tai O

Hong Kong

Moradores de casas flutuantes em terra

Antes de construírem suas casas em palafitas, os habitantes de Tai O moravam em barcos de madeira. Os tankas, ou povo dos barcos, passavam o dia inteiro no mar; a maioria nem sequer tinha meias ou sapatos. Preocupados com os tufões da região, cada vez mais moradores de barcos começaram a construir suas casas na costa. No início do século 20, Tai O e seu mercado de rua haviam sido estabelecidos. É possível aprender mais sobre a aldeia e seu povo dos barcos na biblioteca do Tai O Heritage Hotel. Um museu particular na Wing On Street exibe muitas fotos antigas que o transportarão ainda mais para o passado.

Barco pesqueiro

Uma noite no passado

Houve época em que as águas em torno de Lantau eram infestadas de piratas. Para proteger os moradores da ilha dessa ameaça, uma delegacia de polícia foi construída sobre uma colina perto da praia em 1902, perto da aldeia de Tai O. Mais de um século depois, a delegacia foi restaurada e transformada em um hotel boutique. Embora o Tai O Heritage Hotel tenha apenas nove quartos, todos decorados em um estilo elegante e contemporâneo, os canhões, refletores e celas restaurados lembram os tempos idos. Para obter mais informações, acesse www.taioheritagehotel.com.

Hotel Tai O Heritage
A proa de um barco dragão

Afastando os espíritos da água

Uma vez por ano, os pescadores de Tai O navegam ao longo dos canais em seus juncos (barcos de madeira) para afastar os espíritos da água. Ícones sagrados são tomados emprestados de templos próximos para decorar os barcos adornados durante o desfile. Os homens remam os barcos ao longo dos canais, enquanto os moradores das palafitas queimam suas oferendas de papel. Os pescadores devolvem os ícones para seus templos antes do almoço, quando o festival termina. O Festival do Barco Dragão acontece todos os anos por volta de junho.

+ Ler mais

Ver localização no mapa

Tai O, Ilha Lantau, Hong Kong

Créditos das fotos

  • Hotel Tai O Heritage: Sloane Kelley, Flickr
  • A proa de um barco dragão: Marco Yan Kit Shek, Thinkstock