KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O teatro anti-Apartheid

Em 1976, no auge do regime do Apartheid, um teatro notável foi inaugurado em Johannesburgo. O Market Theatre desafiou o regime apresentando-se como um lugar onde os espectadores de todas as raças podiam assistir juntos aos espetáculos. Estes espetáculos denunciavam o Apartheid. A ideia era simples, mas poderosa: a cultura pode mudar a sociedade.

O teatro foi instalado num edifício que desde 1913 abrigava um mercado de fruta indiano. Os espetáculos deram voz a pessoas que estavam sendo oprimidas pelo Apartheid. Ao mesmo tempo, a qualidade artística era muito importante. Depois da queda do Apartheid, o teatro e seus espetáculos famosos receberam uma profusão de prêmios. O Market Theatre tornou-se um complexo cultural progressista que abriga muitos tipos diferentes de entretenimento e espetáculos.

Entretenimento e resistência
Entretenimento e resistência

Joanesburgo

Combatendo a injustiça

Pouco depois de sua inauguração, o teatro tornou-se internacionalmente conhecido como “The Theatre of the Struggle” (Teatro da Luta) – a luta contra o Apartheid, quer dizer. Os fundadores Mannie Manim e Barney Simon estavam convencidos de que podiam impelir a sociedade na direção certa, e eles sem dúvida fizeram uma importante contribuição. Uma das mais famosas peças anti-Apartheid que estrearam aqui foi “Woza Albert!”. Na peça, o Messias volta à terra durante o regime do Apartheid, que tenta destruí-lo com uma bomba atômica. Tornou-se a peça teatral de maior sucesso produzida na África do Sul. O teatro também foi palco de várias estreias das famosas peças de Athol Fugard. Até hoje, Fugard é considerado um dos mais importantes e influentes escritores e diretores da África do Sul. Ele conquistou o reconhecimento internacional com peças que combatiam o regime do Apartheid.

“Em ‘Woza Albert!’, o Messias volta à terra durante o regime do Apartheid”

Um espetáculo no Market Theatre

Diversão com consciência

O principal objetivo dos espetáculos do Market Theatre tornou-se enfim realidade: há mais de duas décadas o Apartheid foi formalmente abolido na África do Sul. Mas a missão do teatro está longe de acabar. Até hoje, o Market Theatre apresenta à sociedade um espelho crítico; agora a casa de espetáculos pode atrair os melhores talentos jovens que o país pode oferecer. Qualquer pessoa que queira obter um pouco de entendimento sobre a moderna África do Sul encontrará aqui muito material de reflexão.

+ Ler mais

O palco principal

Veja no mapa

56 Margaret Mcingana Street

Créditos das fotos

  • Um espetáculo no Market Theatre: Ralf Held, Flickr
  • O palco principal: Market Theatre