KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A beleza do Cabo da Boa Esperança

Horizonte a perder de vista, penhascos íngremes e o silêncio só interrompido por ondas revoltas quebrando contra as pedras. É bastante óbvio por que o Cabo da Boa Esperança (Cape Good Hope) foi originalmente chamado de Cabo das Tormentas pelo explorador português Bartolomeu Dias, o primeiro europeu a contorná-lo, em 1488. No século XV, os navios em geral se viam em maus lençóis nessa região.

Em Cape Good Hope a história da Cidade do Cabo começa. Com o aumento do tráfego de navios de e para a Ásia, no século XVII, tornou-se necessário ter um posto de abastecimento onde os navios pudessem se reabastecer de víveres no caminho. Em nome da Companhia das Índias Orientais, o navegador holandês Jan van Riebeeck e 90 colonos desembarcaram na Table Bay (Baía da Mesa) em 1652. Passo a passo a Companhia das Índias Orientais construiu um assentamento que evoluiu para uma colônia residencial, tornando-se finalmente conhecida como Cape Town (Cidade do Cabo).

Vistas oceânicas infinitas

A viagem de Cape Town a Cape Good Hope é linda. O cabo faz parte do Parque Nacional de Table Mountain (Montanha da Mesa), uma reserva natural com grande diversidade de flora e fauna e belíssimas trilhas de caminhada. Os observadores de pássaros estarão no paraíso: a região abriga mais de 250 espécies de pássaros. A entrada do parque fica a 12 quilômetros de Cape Point (a ponta do Cabo), o local mais famoso de Cape Good Hope. Este penhasco imponente ostenta uma ampla plataforma com uma vista espetacular do oceano.
Aqui você encontrará também o farol que data de 1859, um marco histórico. A construção desse farol era muito necessária porque a visibilidade ao redor do Cabo (especialmente na neblina) era e ainda é muito ruim. Nada menos que 23 navios afundaram aqui, inclusive o lendário navio-fantasma do Holandês Voador (The Flying Dutchman), que morreu em 1641. Reza a lenda que este navio-fantasma continua a assombrar o Cabo durante as tempestades.
Cape Point, a ponta do Cabo
Farol histórico em Cape Point
Destroços de naufrágios em Cape Agulhas

Teleférico para o farol

Felizmente existe um Holandês Voador menos fantasmagórico: o teleférico que transporta os visitantes do estacionamento até o farol, 249 metros acima do nível do mar. Entre junho e novembro podem-se avistar baleias em Cape Point. Há também vários navios naufragados na região. Os destroços de muitos desses navios podem ser vistos de Olifantsbos Point e Buffels Bay.