KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O Brandenburger Tor: o maior símbolo da liberdade em Berlim

Nenhum local desempenhou um papel tão importante na turbulenta história de Berlim quanto o Portão de Brandemburgo. Foi nesse local que aconteceram os desfiles triunfais de Napoleão, os desfiles nazistas e os discursos de Hitler, a “terra de ninguém” da Guerra Fria, a visita do presidente Kennedy, o discurso de Ronald Reagan e as festas nas ruas para comemorar a queda do Muro de Berlim. Mergulhe na turbulenta história de Berlim no único portal da cidade que ainda está de pé.

O Portão de Brandemburgo foi construído entre 1788 e 1791 para ser a porta de entrada da cidade e um símbolo da paz. Durante a Guerra Fria, o portão ficou no meio de uma “terra de ninguém” entre a Alemanha Ocidental e a Oriental e se transformou em um símbolo da liberdade roubada. Em seu famoso discurso “Tear Down This Wall”, de junho de 1987, o então presidente americano Ronald Reagan disse: “Secretário-Geral Gorbachev, se o senhor deseja a paz, se o senhor deseja prosperidade para a União Soviética e o Leste Europeu, se o senhor deseja liberdade, venha a este portão. Senhor Gorbachev, abra este portão. Senhor Gorbachev, derrube este muro!”. O povo alemão fez isso dois anos depois. Em 1989, os primeiros “Ossies” (alemães orientais) cruzaram o Portão de Brandemburgo para encontrar a liberdade. Depois disso, o portão passou a representar não apenas a paz, mas também a liberdade.

Símbolo de paz e liberdade: o Portão de Brandemburgo
Símbolo de paz e liberdade: o Portão de Brandemburgo

Berlim

Três décadas na área de conflito

Embora atualmente o Portão de Brandemburgo seja um símbolo da liberdade e da reunificação alemã, ele já representou a divisão de Berlim. Nos anos 1950, aproximadamente 2,5 milhões de alemães orientais escaparam da República Democrática Alemã. Para dar um fim à “prática ocidental de roubar pessoas”, Walter Ulbricht, o líder do partido, decidiu impedir que as pessoas saíssem da Alemanha Oriental. A construção do Muro de Berlim foi iniciada no Portão de Brandemburgo, que depois da Segunda Guerra Mundial ficou no lado soviético.

O muro foi construído no lado ocidental do portão, uma enorme barreira de concreto. A vários metros de distância, no lado oriental do portão, foi erguido um segundo muro com arame farpado. De uma hora para outra, o portão erguido no século XVIII já não ficava mais no meio de uma cidade agitada, senão em uma “terra de ninguém” cheia de torres de observação, faróis, alarmes e Volkspolizisten fortemente armados.

Todos os outros prédios na “zona de conflito” foram demolidos abruptamente, mas o Portão de Brandemburgo era monumental demais, mesmo para os líderes da República Democrática Alemã. Quando o Muro de Berlim caiu, depois de quase quatro décadas, milhares de alemães se reuniram no portão para comemorar. Atualmente, uma linha vermelha marca o local onde estava o muro.

“De uma hora para a outra, o portão da cidade ficou no meio da zona de conflito, cheio de torres de observação e Volkspolizisten armados”

Por décadas, o Portão de Brandemburgo foi o símbolo da divisão de Berlim

Irene, o centro da batalha

A quadriga no alto do Portão de Brandemburgo também tem uma história conturbada. A escultura em bronze representa uma charrete com Irene, a deusa grega da paz, que conduz os quatro cavalos com um bastão prussiano e uma águia nas mãos. Depois que Berlim foi ocupada pelos franceses, Napoleão mandou a escultura para Paris como troféu de guerra. Depois da Batalha de Waterloo, os alemães devolveram a escultura a Berlim de forma triunfal. Durante a Segunda Guerra Mundial, as tropas aliadas atiraram em Irene para destruí-la e evitar que a bandeira russa fosse hasteada. Ainda assim, a estátua acabou sendo restaurada mais uma vez.

Irene, a deusa grega da paz esculpida em bronze

Créditos das fotos

  • Por décadas, o Portão de Brandemburgo foi o símbolo da divisão de Berlim: Romtomtom, Flickr