KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

As fortalezas de Omã

A entrada do porto de Mascate é emoldurada por duas fortalezas impressionantes: a fortaleza de Al-Jalali a leste e a fortaleza de Al-Mirani a oeste. Erguidas no alto dos penhascos, as fortalezas estão voltadas para as brilhantes águas azuis do Golfo de Omã. No passado, essas fortalezas protegiam o porto de Mascate.

No início do século XV, Mascate era apenas um pequeno porto, mas já no início do século XVI tinha se transformado em um importante centro comercial. Os portugueses tinham um olho sobre a cidade e decidiram colonizar Omã, para aumentar sua influência nas mais importantes rotas de comércio da região. Depois de vários ataques dos guerreiros otomanos, os portugueses construíram duas fortalezas: a primeira, Al-Mirani, em 1550, e depois, Al-Jalali, em 1587.

Fortaleza de Al-Mirani

A lenda de Al-Mirani

Devido a seu litoral rochoso, Mascate não era um lugar simples de conquistar, e as “fortalezas gêmeas” tornaram isso quase impossível. Ainda assim, existe uma lenda que descreve como a fortaleza de Al-Mirani desempenhou um papel importante na expulsão dos portugueses em meados do século XVII. Conta a história que um dos comandantes portugueses apaixonou-se pela filha de um mercador que os proibiu de se casar, por motivos religiosos. Quando o comandante ameaçou destruí-lo, o mercador supostamente cedeu e passou um ano inteiro fingindo preparar o casamento. Ele conseguiu convencer o comandante de que os suprimentos de grãos e munição da fortaleza deviam ser substituídos. Mas o que ele realmente fez foi esvaziar vagarosamente o forte de toda munição. Quando todos os suprimentos terminaram de ser retirados, ele avisou ao seu governante, o Sultão bin Saif, de forma que este pôde facilmente conquistar a fortaleza indefesa. Os portugueses abandonaram Mascate logo depois. Infelizmente, a fortaleza de Al-Mirani só pode ser admirada do lado de fora e não está aberta ao público.

A beleza de Al-Jalali

A fortaleza de Al-Jalali é também conhecida como a fortaleza de Ash Sharqiya. O nome Al-Jalali parece derivar de “al jalal”, que significa “grande beleza”, mas outros dizem que a fortaleza recebeu o nome do líder persa Jalal Shah. A fortaleza consiste de duas torres que são ligadas entre si por um muro e são acessíveis somente por meio de uma escadaria íngreme do lado do porto. Sua localização isolada transformou a fortaleza num presídio perfeito, exatamente como foi usada até os anos 1970. Em 1983, a fortaleza foi restaurada e tornou-se um museu particular sobre a história de Omã. Infelizmente, ele só abre para convidados especiais, como famílias reais e chefes de estado.

Fortaleza de Al-Jalali