KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Os fundamentos da Nação Arco-Íris

Democracia, igualdade, reconciliação, diversidade, responsabilidade, respeito e liberdade: estas palavras adornam as imponentes colunas do Museu do Apartheid, em Joanesburgo. Esses são os sete pilares sobre os quais a nova Constituição da Nação Arco-Íris é baseada. Esta constituição pôs um fim oficial no apartheid em 1996. O museu leva você em uma viagem multimídia através deste período pungente na história da África do Sul.

No bilhete de entrada, lê-se ou "Blankes" (brancos) ou "Nie-Blankes" (não brancos), que determina qual entrada do museu você pode usar, permitindo-lhe experimentar o que se sente ao ser selecionado com base na cor da pele. As 22 exposições multimídia permanentes contam a história da segregação racial (apartheid) na África do Sul. Fotos únicas mostram a vida de uma pessoa negra durante o regime do apartheid. Também é mostrado um vídeo sobre a libertação de Nelson Mandela.

A entrada do Museu do Apartheid
A entrada do Museu do Apartheid

Joanesburgo

Imagens chocantes

Depois que o Gold Reef City Casino recebeu uma licença de jogo por parte do governo, em 1995, o consórcio por trás do cassino prometeu financiar um museu, a fim de fazer uma devolução à sociedade. Esse museu tornou-se o Museu do Apartheid, que abriu suas portas em 2001. Não é apenas um museu de fatos: o plano é que os visitantes experimentem pessoalmente as formas horríveis em que a política do governo racista foi levada à prática. Pelo menos 131 opositores políticos foram mortos porque era legal executá-los. As forcas penduradas no teto de uma das salas de exposição homenageiam essas vítimas. É uma visão horripilante que não é adequada para crianças pequenas, mas definitivamente passa a mensagem.

Os opositores do regime podiam ter que enfrentar a morte

Ode a Mandela

Nelson Mandela é a figura inigualável do movimento antiapartheid. Seu papel essencial é lindamente representado em uma exposição no Museu do Apartheid. Fotos, citações, vídeos e histórias contam aos visitantes como Mandela tornou-se o mais famoso prisioneiro do mundo, depois de ser banido para Robben Island. De sua cela, ele conduziu as negociações que mais uma vez tornaram a África do Sul um país livre e, depois de 27 anos de prisão, fizeram dele um homem livre. Naturalmente, o período em que ele foi o primeiro presidente negro em liderar a nova Nação Arco-Íris também recebe muita atenção.

Créditos das fotos

  • Os opositores do regime podiam ter que enfrentar a morte: Tarouk, Flickr