KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A Era de Ouro de Milão

Entre os séculos 13 e 16, Milão foi governada por famílias como os Visconti e os Sforza. Durante o reinado dessas famílias, a cidade ganhou painéis magníficos, igrejas extraordinárias e outras maravilhas arquitetônicas. Os Visconti, que chegaram ao auge do poder por volta de 1395, encomendaram a construção de jóias da arquitetura, como o Duomo e a Igreja de São Marcos.

Como a descendência masculina dos Visconti foi encerrada em 1447, eles foram substituídos pelos Sforza. Ludovico il Moro (1452), em particular, foi essencial para o florescimento cultural da cidade. Por 20 anos, ele empregou Leonardo da Vinci, que pintou grandes obras, como a A Última Ceia, durante seu reinado. Graças a il Moro, podemos admirar os famosos painéis de da Vinci na Sala delle Asse do Castello Sforzesco. O afresco no teto retrata 18 salgueiros com ramos entrelaçados. Esse afresco simboliza o casamento de il Moro, já que ele e sua esposa vinham de famílias poderosas.

Os arcos pontiagudos da igreja Santa Maria delle Grazie

Um amor da Renascença

Ludovico il Moro também ordenou a reforma da Igreja Santa Maria delle Grazie. Em 1492, ele contratou o famoso arquiteto Donato Bramante para demolir o abside da igreja e reconstruí-lo no estilo renascentista. Os dois estilos ficam imediatamente aparentes na igreja: embora ela tenha sido originalmente decorada com afrescos, Bramante preferiu um estilo mais sóbrio.

Serpentes por toda a cidade

Quando Matteo Visconti conquistou a cidade, em 1295, ele incorporou o emblema da serpente a seu brasão de armas. Ele percebeu que, além do poderio militar, precisava de uma lenda familiar para justificar sua legitimidade. Os Visconti disseram aos milaneses que um de seus ancestrais tinha libertado a cidade de um dragão com a proteção de uma cobra enrolada em seu corpo. As serpentes dos Visconti ainda podem ser vistas em muitos locais. Por exemplo, no alto do portal da comuna de Certosa di Pavia, no sul de Milão, onde Gian Galleazzo Visconti construiu um mausoléu para sua família.

“Matteo Visconti o Grande convenceu os habitantes de Milão de que um de seus antepassados havia livrado a cidade de um dragão”

Os brasões da família Visconti

Alfa Milano

Os Visconti não poderiam imaginar que um dia o brasão de armas da família seria visto nas ruas de todo o mundo como o logotipo da marca Alfa Romeo. A empresa foi fundada em Milão, em 1910, com o nome Anonima Lombarda Fabbrica Automobili, abreviado para ALFA. O logotipo da empresa combina o brasão de armas da família Visconti com a cruz vermelha da cidade de Milão. A marca de carros já foi até chamada de Alfa Milano. Quando o napolitano Nicola Romeo assumiu o comando da empresa, em 1915, o nome foi mudado para Alfa Romeo. Talvez ele não tivesse tanto orgulho da origem da marca.

Créditos das fotos

  • Os brasões da família Visconti: Vytautas Kielaitis, Shutterstock