KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A ponte dourada de Florença

Arrastada como pedaço de madeira, reconstruída em pedra, devastada por tempestades e poupada por Hitler: a Ponte Vecchio medieval tem uma história turbulenta. Na Idade Média, havia tanta falta de espaço que casas e lojas eram construídas sobre a ponte, que sobreviveu através dos séculos. E a passagem secreta do “Inferno" de Dan Brown existe realmente.

Cerca de mil anos atrás, no Império Romano, foi construída uma ponte de madeira no trecho mais estreito do Rio Arno. Depois de ter sido destruída por enchentes, a ponte foi reconstruída duas vezes, sendo a última vez em pedra. Em 1345, a Ponte Vecchio foi construída tal como é hoje, o que faz dela a ponte mais antiga do mundo construída em arcos segmentados de pedra.

A Ponte Vecchio medieval em Florença
A Ponte Vecchio medieval em Florença

Florença

A passagem secreta dos Medicis

Para os Medicis, a família de banqueiros que governou a cidade-estado de Florença por três séculos, a Ponte Vecchio era uma ligação importante entre seus palácios de residência e trabalho, que ficavam separados pelo Rio Arno. O único problema era que a “ralé” habitava a ponte. Por isso, Cosimo o Grande encarregou o arquiteto Giorgio Vasari de construir uma passagem suspensa de mais de um quilômetro de extensão. O Corridoio Vasariano (Corredor Vasariano) percorre a ponte, através da Galleria degli Uffizi e pelo Jardim de Boboli. Para construí-lo sobre a Ponte Vecchio, as últimas torres de defesa remanescentes na parte sul precisavam ser destruídas, mas a família que vivia aí recusou-se a sair e a passagem acabou sendo construída contornando-as.


Os Medicis podiam assim andar pelo alto e no seco desde o Palazzo Vecchio até o Palazzo Pitti, mas o fedor de carne podre ainda saía pelas pequenas janelas. Por isso, os açougueiros e os curtidores foram banidos da ponte e as lojas passaram a só poder abrigar ourives e joalheiros dali em diante. A propósito, segundo a tradição, a palavra “bancarrota” deriva da locação dessas bancas: se um lojista deixasse de honrar seus pagamentos, sua lojinha (“banca”) era quebrada (“rotta”).

“Os Medicis podiam andar de palácio a palácio via o Corridoio Vasariano sem ter de se misturar aos plebeus”

A passagem secreta dos Medicis

Uma ponte muito longe para Hitler

Perto do final da Segunda Guerra Mundial, os nazistas recuaram através da Itália. Todas as vias importantes de Florença foram atacadas, exceto a Ponte Vecchio. Conta-se que o próprio Adolf Hitler ordenou isso, por ter admirado a ponte durante uma visita anterior à Florença. Mussolini fez alargar as janelas do Corridoio Vasariano especialmente para essa visita, de modo que seu bom amigo Hitler pudesse apreciar as lindas vistas do rio. Por fim, todas as outras pontes do Arno foram bombardeadas, mas até mesmo Hitler não quis ir mais longe e destruir um monumento de séculos de antiguidade.

A Ponte Vecchio iluminada à noite

Créditos das fotos

  • A passagem secreta dos Medicis: Mathrong, Flickr