KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O icônico Coliseu

O Coliseu é a mais famosa e talvez mais impressionante estrutura de Roma. Este enorme anfiteatro romano, encomendado pelo Imperador Vespasiano, foi construído em concreto, turfa e tijolo e comportava mais de 50 mil espectadores. Um exército de escravos prisioneiros da Guerra Judaico-Romana levou oito anos, de 72 a 80 d.C., para construir ‘il Colosseo’ com seus 50 metros de altura.

No interior da bela estrutura arqueada do Coliseu, gladiadores lutavam uns contra outros ou contra animais selvagens; os espectadores também assistiam a corridas de biga, lutas de boxe e competições de Arco e Flecha. As peças de teatro em geral eram sangrentas, com criminosos condenados escalados para o papel de vítimas; eles eram realmente mortos em cena durante o espetáculo. Cruel ou não, o povo romano aplaudia de pé esse tipo de representação teatral.

A Basílica de São Pedro

O Coliseu transformado em pedreira

No século V d.C., o Coliseu, assim como todo o resto de Roma, foi atacado pelos Bárbaros e entrou em declínio. “Bárbaro” era o termo romano genérico para todos os povos não romanos. Pilhagens e desastres naturais continuaram danificando o Coliseu. O pior período ocorreu na Idade Média, quando o anfiteatro foi reduzido a uma pedreira. As pedras eram retiradas do Coliseu para servir de material de construção – algumas dessas pedras foram usadas na construção da Basílica de São Pedro. O Papa Bento XIV pôs fim às pilhagens em 1749: ele reconheceu o valor histórico do Coliseu por causa dos primeiros cristãos que aqui tinham sido torturados até a morte.

Escondidos sob o velarium

Poucas pessoas sabem que em seus primórdios o Coliseu possuía uma enorme cobertura de lona chamada velarium. Essa cobertura protegia os espectadores do sol forte. Ela era amarrada a grandes postes no topo do Coliseu e presas ao chão por cordas. Armar esta lona exigia a ajuda de mais de mil pessoas. Mas com tantas pessoas, a tarefa era rapidamente executada: em 15 minutos o velarium era inteiramente desenrolado e posto no lugar.

No passado o Coliseu podia ser coberto
O Coliseu à noite

Maravilha do Mundo

Atualmente o Coliseu é uma das maiores atrações de Roma. É um monumento imponente e uma das Sete Maravilhas do Mundo. Hoje em dia não há mais peças ou espetáculos no Coliseu, mas o prédio está aberto ao público. Debaixo da arena, os visitantes podem fazer um tour pelo intrincado labirinto de corredores e jaulas outrora usados por animais e gladiadores. Essas jaulas eram puxadas para cima para que os humanos e animais pudessem entrar na arena no nível da cena. Depois de muitos anos em condições deploráveis, o Coliseu está passando por uma restauração colossal que levará muitos anos até ficar pronta.

Créditos das fotos

  • No passado o Coliseu podia ser coberto: Iakov Kalinin