KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O icônico Palácio das Nações

O Palais des Nations, símbolo da herança compartilhada da comunidade internacional, fica situado em um parque com vista para o Lago Léman e na fronteira da Suíça com a França. Os visitantes podem conhecer as salas de conferências lindamente decoradas, onde acordos lendários foram assinados e marcos dos direitos humanos, da saúde e da paz mundial foram atingidos.

Depois da Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações foi criada para dar um fim a todas as guerras. Genebra foi escolhida como sede da organização e centro da diplomacia internacional. Para isso, um palácio foi construído no Ariana Park com inúmeras salas de conferência, cada uma decorada com presentes dos estados membros. Hoje em dia, as bandeiras de todos os estados membros tremulam na avenida que leva até a entrada do prédio, o que mostra aos visitantes o caráter internacional da organização.

Um passeio por 193 países

Embora mais de nove mil reuniões sejam realizadas por ano no complexo, grande parte do prédio fica aberta ao público. As paredes do amplo salão de conferência são decoradas com pinturas doadas pela França, e o piso de madeira do plenário presidencial foi doado pela Austrália. Em 1937, os Estados Unidos doaram o primeiro sistema de interpretação simultânea. O mobiliário original foi um presente da Suíça.

Os afrescos belíssimos que adornam as paredes da Câmara do Conselho, no terceiro piso, criam um ambiente totalmente diferente. Três desses afrescos foram pintados por Karl Hügin. O “Vítimas da Guerra” retrata mulheres chorando ao lado do corpo de um soldado que ainda segura uma espada. Há alguns anos, o Salão XX foi redecorado e rebatizado de Salão dos Direitos Humanos e da Aliança das Civilizações. Como parte da reforma, o artista espanhol Miquel Barceló transformou o teto abobadado do salão em uma obra de arte colorida e impressionante.

Sala das Assembléias

Um parque para todos

O Palácio das Nações está cercado pelo belíssimo Ariana Park, onde pavões circulam livremente e é possível encontrar 800 espécies de árvores. O parque foi uma propriedade familiar. A família proprietária do terreno concordou com a construção do palácio com uma condição: os visitantes e os pavões poderiam circular livremente. A maioria dos pássaros foi doada por um zoológico japonês ao longo de anos. O parque tem casas do século XIX e dezenas de estátuas, torres e placas comemorativas, algumas doadas pelos estados membros. A esfera celestial de 1939, com 85 constelações cobertas de ouro e 840 estrelas cobertas de prata, é uma atração imperdível.
Estátua no Ariana Park

Créditos das fotos

  • Sala das Assembléias: Martin Lehmann, Shutterstock
  • Estátua no Ariana Park: Yu Lan, Shutterstock