KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A imponente Catedral de Milão

No centro da Piazza del Duomo está o Duomo di Milano. Essa catedral é uma genuína obra-prima gótica com mais de 3.500 estátuas de santos, animais, monstros e 135 torres apontando para o céu. Um imenso local de adoração, a catedral levou cerca de 600 anos para ser construída e até o ano de 1950 ainda havia trabalho sendo realizado em suas seções e portais mais altos.

Encomendada pelo bispo Antonio da Saluzzo, a construção começou em 1386. A obra foi uma coprodução europeia durante os primeiros anos, com a liderança do projeto alternando entre mestres de construção franceses, alemães e italianos. Isso inevitavelmente causou atrasos, pois todos eles tinham visões diferentes de como a construção deveria ser feita. Por volta de 1400, o trabalho começou de fato, mas seriam necessários séculos para que a catedral fosse concluída.

Napoleão agiliza a obra

De tempos em tempos a construção era interrompida por longos períodos, que chegaram há um século em algumas ocasiões. Até que Napoleão Bonaparte conquistou Milão e garantiu que a fachada frontal fosse concluída no prazo de 7 anos. O trabalho foi financiado pelo Estado francês, mas esse não foi um ato de puro altruísmo de Napoleão, sua vontade era ser coroado rei da Itália na catedral. Napoleão não seria Napoleão, se não tivesse conseguido. Em frente à catedral há uma grande estátua do pequeno francês a cavalo. Mais tarde, sua imagem também foi colocada em uma das 135 torres como demonstração de gratidão por sua generosidade.

A estátua de Napoleão Bonaparte

Uma floresta de torres

Elevadas aos céus, as torres de forma pontiaguda são um dos atributos mais reconhecidos do estilo arquitetônico gótico e nenhuma outra catedral do mundo tem tantas torres quanto o Duomo. Além de estarem posicionadas ao longo das bordas da catedral, essas torres também cobrem todo o telhado e formam praticamente uma coroa em torno da torre principal. Nessa torre está a Madonnina, ou a pequena Madonna: uma estátua de 14 metros da Virgem Maria. A estátua é feita de cobre com acabamento em 3.900 pedaços de folha de ouro.
Muitas das torres são suntuosamente decoradas com enfeites e estátuas. O melhor lugar para vê-los é do telhado do Duomo. Apesar de ser mais fácil chegar lá de elevador, as escadas têm mais encanto. Os degraus da escadaria passam entre as torres proporcionando as vistas mais atraentes ao longo do caminho. Você pode ver o arranha-céu mais alto de Milão, a soberba estação ferroviária, Stazione Centrale, e até os Alpes se o dia estiver claro. Quando você chega ao topo e fica no meio de todas as torres, é como se você tivesse entrado em uma pequena vila.

As torres da Catedral