KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A cidade perdida de Sanxingdui

O Museu de Sanxingdui, localizado na cidade de Guanghan, a apenas 40 quilômetros de Chengdu, fica num cenário tranquilo entre os morros. Mas, milhares de anos atrás, esses mesmos morros faziam parte do muro que cercava uma cidade da Idade do Bronze. O Museu de Sanxingdui exibe uma rica coleção de achados desta civilização perdida. Especialmente as máscaras fantasmagóricas mexem com a imaginação.

Há cerca de 3.500 anos, a civilização Sanxingdui se desenvolveu às margens do Rio Yazi, na província chinesa de Sichuan. Alguns séculos depois, não havia mais sinal desta cultura. Parecia ter se evaporado, sem deixar referências escritas ou orais de sua existência. Em 1986, uma grande quantidade de tesouros artísticos foi encontrada, levando à redescoberta dessa civilização esquecida e ganhando as manchetes ao redor do mundo. Este achado arquitetônico provou que as origens da civilização chinesa são bastante mais complexas do que se supunha. Os livros de história tiveram de ser reescritos.

O moderno Museu de Sanxingdui
O moderno Museu de Sanxingdui

Chengdu

Um mistério fascinante

A história da redescoberta de Sanxingdui começa há relativamente pouco tempo. A primeira evidência de que esta cidade alguma vez existiu só foi encontrada em 1929, quando um camponês que cavava um poço encontrou uma grande quantidade de objetos de jade. Embora isto tenha logo atraído a curiosidade de arqueólogos, as escavações iniciais praticamente nada encontraram. Não houve mais interesse até 1986, quando os trabalhadores de uma fábrica de tijolos local ficaram surpresos ao tropeçar em um poço de sacrifícios com milhares de objetos de cerâmica, ouro, bronze e jade – um verdadeiro tesouro. Alguns historiadores da arte acreditam que o valor artístico desses objetos seja até maior que o do famoso Exército de Terracota de Xi'an.


Porém, a descoberta estava cercada de mistério; não havia registros escritos sobre esta civilização e o estilo parecia completamente diferente que o de qualquer outra sociedade do mesmo período. Entretanto, os contemporâneos nunca mencionaram uma cultura diferente e logo ficou claro que algo muito especial havia acontecido neste rincão longínquo de Sichuan. Antes, sempre se considerou que o berço da civilização chinesa se encontrava às margens do Rio Amarelo. Sanxingdui não se encaixava nisso, mas as máscaras estranhas com olhos esbugalhados e troncos e orelhas de elefante, de repente, tiveram que ser incluídas na história. Isto acabou se revelando uma tarefa nada simples: até hoje pouco se sabe sobre essa cultura.

Uma coleção misteriosa

Embora a história das imagens em exposição no museu remonte a milhares de anos, o museu em si é bem moderno. As muitas salas escuras reforçam a atmosfera misteriosa. O espaço de exposição se espalha por duas salas. A primeira é dedicada à cerâmica e jade e aos artefatos de ouro que foram encontrados na região. A segunda sala exibe a maior parte das peças de bronze. A estátua de bronze de 2,62 metros de altura e a enorme máscara de bronze de 1,34 metros de largura são incrivelmente impressionantes.

“Salas de exposição escuras reforçam a atmosfera misteriosa”