KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O Palácio Real

O Palácio Real Espanhol em Madrid tem uma função semelhante à do Palácio na Praça Dam, em Amsterdã: a Família Real não vive lá, mas o edifício é utilizado para assuntos públicos oficiais. Parte dele é aberto ao público. Esse gigante barroco no lado oeste da cidade tem 2.800 quartos, o que o torna o maior palácio da Europa.

Uma fortaleza moura, o Real Alcázar de Madrid foi um castelo onde os reis de Castela e outros membros da família real viveram. Em 1734 ocorreu um grande incêndio: era Natal e os sinos de alarme tocados foram confundidos com os sinos da Missa. O Palácio Real construído no mesmo local superou seu antecessor em seu esplendor. Em 1764, o rei Carlos III se mudou para lá. Hoje em dia, os tesouros reais são um dos principais motivos para visitar o palácio, embora os jardins sejam também muito populares.

Tesouros reais

Depois do incêndio, o rei Filipe V contratou o arquiteto italiano Filippo Juvara para supervisionar a construção de um novo Palácio Real. Juvara já tinha feito seu nome em Turim, onde projetou a impressionante Basilica di Superga e o Palazzo di Stupinigi. Infelizmente, tanto Filipe V como Juvara morreram antes da construção ser concluída. Finalmente, ela foi terminada em 1755 por seus discípulos, incluindo Giovanni Battista Sacchetti, também um italiano.

Embora várias famílias reais tenham morado no palácio até 1930, hoje é um museu real. Dentro dele, é possível encontrar uma bela coleção de tapeçarias, porcelanas, relógios antigos e armas. Podemos admirar pinturas de valor inestimável, inclusive as pintadas por Caravaggio, Goya e Velázquez. As gigantescas sala do trono, sala de espelhos e salas de jantar reais mostram claramente o luxo como os monarcas viveram. O atual Rei, Juan Carlos, optou por uma moradia menor no Palacio de la Zarzuela, situado à entrada da cidade.

O Palácio visto da Plaza de Oriente
A imensidão do palácio capturada em uma foto panorâmica

Os jardins do Palácio Real

Os Jardines de Sabatini, de estilo francês, estão localizados ao norte do Palácio Real. É um local fantástico para escapar das multidões e relaxar à sombra de pinheiros e ciprestes. Os estábulos reais estavam aqui, mas foram destruídos na década de 1930, durante o regime de Franco. Os jardins estão situados na parte inferior de uma colina e 10 metros abaixo da Plaza de Oriente, de modo que, visto dos jardins, o palácio é ainda mais imponente do que quando visto de frente.

“Fuja das multidões e relaxe à sombra de um cipreste nos jardins encantadores”

Créditos das fotos

  • O Palácio visto da Plaza de Oriente: Steven Bostock, Shutterstock