KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O canal do Panamá: um projeto inteligente de engenharia

O Canal do Panamá é chamado também de 8ª maravilha do mundo, e isso é bem compreensível. O projeto foi uma das maiores e mais incríveis obras de engenharia da história. Os navios não precisam mais dar a volta ao continente, mas podem cortar direto pelo canal de 77 km de comprimento, poupando uma enorme quantidade de tempo e dinheiro.

Os franceses foram os primeiros a tentar construir um canal, em 1880, mas seus esforços fracassaram. Durante essa construção, mais de 20 mil trabalhadores morreram de doenças como a febre amarela e a malária, e o projeto foi abandonado. Entre 1904 e 1914, o Canal do Panamá foi terminado pelos norte-americanos, que garantiram para si o controle da nova rota aquática. O Panamá só conseguiu a propriedade oficial do canal ao meio dia (hora local) de 31 de dezembro de 1999.

O canal do Panamá
O canal do Panamá

Cidade do Panamá

Navios nas eclusas de Gatun

Como funciona o Canal do Panamá

Para viajar do Oceano Atlântico ao Pacífico, os navios devem transpor uma diferença de altura de 26 metros. Os navios passam por três eclusas: Miraflores, Pedro Miguel e Gatun. Um sistema engenhoso baixa os navios utilizando a gravidade. O tempo total de viagem pelo Canal do Panamá é de 8 a 10 horas, e mais de 14 mil navios fazem o percurso por ano. Pagam um pedágio alto (cerca de 100 mil euros), mas isso ainda é muito mais barato que contornar a América do Sul.

A linda vista da eclusa de Miraflores

A eclusa de Miraflores tem as mais belas vistas do canal, dos gigantescos petroleiros e navios de cruzeiro. É uma viagem de cerca de 30 minutos da Cidade do Panamá para a eclusa. Há um centro de visitantes com um mirante, um restaurante com um terraço e uma loja de souvenir. Você também verá muitas exposições, maquetes, apresentações em vídeo e módulos interativos para explicar como as eclusas e o canal funcionam. Mas a melhor maneira de aprender sobre o canal é esperar um navio e ver a realidade em ação, uma visão espetacular.

A vista da eclusa de Miraflores

Fatos interessantes

O Canal do Panamá é a realização mais impressionante da engenharia não só por suas dimensões imensas, mas também devido às muitas soluções engenhosas. O canal é preenchido com água doce para separar a água salgada e a flora e fauna dos dois oceanos. Um lago artificial, Gatun Lake, funciona como um reservatório, que alimenta o canal com água pluvial e água da floresta vizinha. Locomotivas elétricas especiais de ambos os lados da eclusa garantem que os navios entrem na eclusa na posição correta e continuem assim durante todo o percurso.

Gatun Lake

Créditos das fotos

  • A vista da eclusa de Miraflores: Boris G, Flickr
  • Gatun Lake: Jasperdo, Flickr