KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O Panteão

O poderoso Panteão – construído em 27 a.C. – é a estrutura mais bem preservada da era romana. Em anos posteriores, o templo foi usado como cemitério. Os reis do século XIX, Victor Emmanuel II e Umberto I foram enterrados aqui, assim como o pintor Rafael. Mais tarde o Panteão foi transformado em igreja.

Há uma série de letras de bronze acima dos 8 pilares na fachada do Panteão: M. AGRIPPA. L. F. COS.TERTIUM. FECIT, ou “Marcus Agrippa, filho de Lucius, três vezes cônsul, construiu isto”. No ano de 80 d.C., Roma foi atingida por um incêndio terrível, que destruiu vários prédios, inclusive o Panteão. Ele foi reconstruído mais tarde por ordem do Imperador Adriano. A cada vez que o Panteão foi danificado por desastres naturais, ele foi novamente restaurado. Isto explica por que, 2 mil anos depois, o prédio ainda está em condições incríveis.

O interior do Panteão

Derretido para construir canhões

Porém, a única coisa que não sobreviveu aos séculos foi o teto de bronze do Panteão. O Papa Urbano VIII mandou derreter o bronze para criar um dossel para o túmulo de São Pedro, na Basílica de São Pedro, e canhões para o Castelo de Sant'Angelo. A grande cúpula do Panteão é um fenômeno fascinante e uma verdadeira obra-prima. Por muito tempo os arquitetos se perguntavam como era possível que a cúpula de concreto não reforçado não tivesse sucumbido ao próprio peso.

A cúpula do Panteão
A luz do sol se derrama pelo orifício da cúpula

Orifício no teto

Foi somente muito mais tarde, em 1434, que o arquiteto italiano Brunelleschi conseguiu projetar uma cúpula semelhante para a igreja Santa Maria del Fiore, em Florença. O segredo do Panteão é que suas paredes se tornam gradualmente mais finas em direção ao alto. Para reduzir o peso, o arquiteto adicionou nichos quadrados. Por fim, há um orifício no topo para dar espaço de movimento. Portanto, embora algumas vezes chova dentro, a luz do sol consegue penetrar no Panteão e iluminar o imponente interior.

Créditos das fotos

  • O interior do Panteão: Luciano Mortula, 123rf