KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O popular bairro boêmio de Santa Teresa

Se você representar o Rio de Janeiro como uma pessoa, a praia de Ipanema seria as pernas fortes e bronzeadas do corpo. A animada Lapa seria os quadris ondulantes e acima disso estariam os órgãos vitais. Santa Teresa é o coração artístico da cidade, cheia de galerias e arte de rua. Esse é o lugar ideal para se mergulhar no cenário artístico do Rio.

No século 18 a população abastada do Rio de Janeiro procurou refúgio na bela e verdejante encosta de Santa Teresa. Ainda hoje o bairro possui muitas residências e mansões coloniais. Santa Teresa tem duas atrações turísticas para oferecer: a Escadaria Selarón, uma longa escada de pedras que foi revestida com azulejos coloridos pelo artista chileno Jorge Selarón, e o elegante Convento de Santa Teresa. Mas não é isso que atrai os habitantes locais do Rio para esta colina nos finais de semana. Os cariocas vêm aqui principalmente para passar horas agradáveis.

Santa Teresa: um bairro da cidade dentro da floresta tropical

Aos sábados, os cariocas surgem de todos os cantos da cidade para se deleitar com uma feijoada, um saboroso cozido de carnes de porco e feijão preto. Outros saboreiam uma refrescante caipirinha, a bebida típica brasileira que mistura cachaça, limão, gelo e açúcar. O Restaurante Sobrenatural é famoso por seus pratos de peixe e frutos do mar frescos. A punheta de bacalhau pode não ter o nome mais atraente (já que na gíria, punheta está associada à masturbação), mas o peixe grelhado com leite de coco, banana, batatas e castanhas do Brasil é realmente delicioso.
Que o Rio de Janeiro é uma cidade no meio da floresta tropical fica bem evidente em Santa Teresa, onde mansões elegantes disputam espaço com a selva que avança. Papagaios verdes gritam do alto das árvores, samambaias espocam nas rachaduras dos muros, e os cabos do bonde ficam cobertos de raízes de bromélias. No jardim do charmoso café Cafecito você quase pode ouvir as plantas crescendo. É como se a floresta estivesse ansiosa por recuperar as ruas de paralelepípedos do bairro na encosta do morro. O Rio de Janeiro é a única cidade no mundo que pode se gabar de ter uma floresta tropical dentro de suas fronteiras municipais. O termo “selva urbana” ganha aqui um significado todo novo.

Santa Teresa: um bairro da cidade dentro da floresta tropical

Créditos das fotos

  • Santa Teresa: um bairro da cidade dentro da floresta tropical: Mathieu Struck, Flickr