KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A floresta no coração da cidade

Rio de Janeiro é a única cidade do mundo com uma floresta tropical dentro dos seus limites. O Parque Nacional da Tijuca mede 33 quilômetros quadrados e abriga uma grande diversidade de flora e fauna. Iguanas, bugios, cobras e muitas espécies diferentes de pássaros fazem seu habitat próximo aos densos bairros do Rio. Um paraíso natural no centro de uma metrópole.

Os cientistas calculam que a floresta costeira tem cerca de 60 milhões de anos. Os habitantes originais da floresta eram os índios das tribos Tupi e Tamoio. Com a chegada dos portugueses e franceses no século XVI, a maioria dos indígenas foi expulsa dessa área. Árvores foram abatidas para construir casas e dar lugar às plantações de cana de açúcar e café. Em 1861, a sorte virou quando a Floresta da Tijuca passou a ser área protegida. Um século depois, ela foi transformada em parque nacional.

A Floresta da Tijuca
A Floresta da Tijuca

Rio de Janeiro

O homem que toma conta do Rio

A atração mais famosa do parque é o Cristo Redentor, a enorme estátua que contempla a cidade do Rio. Um trem vermelho, o “Trem do Corcovado”, sobe em meio à floresta quase até os pés da estátua. Depois de 20 minutos de viagem, prepare-se para subir 220 degraus para chegar à base da estátua. Mas não se preocupe: há também um elevador e uma escada rolante. No topo, sua recompensa será uma magnífica vista de 360 graus do parque, das praias e da cidade.

Cristo Redentor

“Mais de 200 trilhas de caminhada levam a quedas d’água exuberantes e mata verde.”

Uma infinidade de trilhas para caminhada

A floresta é um excelente lugar para se relaxar. Durante a semana, os cariocas (habitantes do Rio) vêm para cá para desfrutar de um piquenique no entorno deslumbrante. Há também vários passeios: o parque tem mais de 200 trilhas de caminhada e é melhor explorá-las com um guia. Você também pode descobrir o parque com um tour guiado de jipe. Para se aventurar no parque por conta própria, compre um mapa no quiosque ou no centro de visitantes, ou simplesmente siga as placas sinalizadoras.

Água cristalina

As temperaturas podem subir na Tijuca, mas felizmente o parque tem muitas quedas d’água que são ótimas para um banho refrescante. As duas quedas d’água mais impressionantes são a Cascata Gabriela, com uma pequena piscina natural cercada de árvores altas, e a Cascatinha Taunay, com 30 metros de altura, perto da entrada do parque. Embora riachos e bicas d'água sejam suficientes para se refrescar, é importante trazer bastante água potável.

Cascatinha Taunay

Créditos das fotos

  • Cascatinha Taunay: Vihh, Flickr