KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A alma de pedra de Zanzibar

A antiga alma da ilha tropical de Zanzibar está enraizada em Stone Town. Enquanto o resto da ilha se desenvolveu ao longo dos anos, pouca coisa mudou aqui nos últimos dois séculos. É um lugar mágico, perfeito para ser explorado a pé. Passeie pelos becos estreitos e sinuosos, bazares movimentados e mesquitas e aprecie a linda arquitetura.

À primeira vista, Zanzibar parece bem pequena. Mas, no século XIX, a ilha era um dos principais centros de comércio no Oceano Índico. Você ainda pode admirar as magníficas casas dos mercadores. O nome Stone Town é derivado da arquitetura predominante de pedra, construída em sua maioria em pedra coral. As diversas culturas da ilha também combinaram vários estilos arquitetônicos aqui, criando um aglomerado único de estruturas. Em 2000, Stone Town passou a fazer parte da lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

A cidade deve seu nome à pedra coral
A cidade deve seu nome à pedra coral

Zanzibar

Uma riqueza de estilos arquitetônicos

Tradicionalmente, os mercadores de Stone Town tentavam superar uns aos outros com a qualidade do artesanato de suas casas. Isso levou a resultados espetaculares. As portas de madeira entalhada são verdadeiras obras de arte – você pode admirar cerca de 500 exemplares diferentes. As casas eram construídas em estilo indiano, com portas com grandes botões de cobre. Esses botões eram originalmente incrustrados nas portas na Índia para repelir elefantes, mas aqui eles foram aplicados por motivos puramente decorativos. Também existem ruas cheias de exemplos de arte africana oriental, persa, árabe e europeia. Essas culturas se amalgamaram para formar a exclusiva cultura suaíli.



Os mercadores do século XIX que viviam nessas casas (e às vezes palácios) acumularam suas riquezas com o comércio de especiarias e escravos. As especiarias ainda são encontradas em abundância nos movimentados bazares. Um monumento impactante marca o ponto onde antigamente os escravos eram negociados.

Arquitetura à prova de elefante
O monumento da escravidão em Stone Town

O Palácio das Maravilhas

Situada no bulevar de Stone Town encontra-se uma estrutura única, o Palácio das Maravilhas. Esse colosso quadrado ganhou seu nome porque foi a primeira construção da ilha a ter energia elétrica e a instalar um elevador elétrico. Foi outrora a residência do segundo sultão de Zanzibar, que governou o resto de seu império a partir deste palácio. Hoje a construção abriga o Museu Nacional da História e Cultura de Zanzibar.

Um antigo bastião da moderna engenhosidade