KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Os 3 pontos altos da Galleria degli Uffizi

A Galleria degli Uffizi é um dos mais antigos e mais famosos museus do mundo. A entrada fica na esquina da Piazza della Signoria, que durante séculos foi o centro animado da vida florentina. Na Galleria degli Uffizi você encontrará obras-primas de Caravaggio, Botticelli, Leonardo da Vinci e Michelangelo, distribuídas em 50 salas.

Florença em si é um museu vivo, lotado de palazzi centenários e tesouros renascentistas. Um simples passeio pela cidade é como visitar um museu. E se você decidir visitar realmente um, escolha a Galleria degli Uffizi. A Uffizi se encaixa na mesma categoria do Louvre, do Hermitage e do Prado: suas obras-primas clássicas são algumas das mais extraordinárias do mundo. A coleção é enorme, e você pode facilmente passar um dia inteiro aqui. Como ponto de partida, listamos abaixo três destaques que você não pode deixar de ver.

A obra-prima de Botticelli

O Nascimento de Vênus

O “Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli é sem dúvida uma das pinturas mais famosas do mundo. A pintura retrata o nascimento do amor: Vênus, a Deusa do Amor nua, emerge de uma concha com a serva Ora a seu lado. Vênus timidamente cobre sua nudez com as mãos, enquanto Ora está pronta para cobri-la com um lindo pedaço de pano. Antes de criar esta obra, Botticelli estudou a famosa escultura em mármore Vênus de Médici, em exibição em outro local do museu.

Baco e Caravaggio

Caravaggio teve um relacionamento íntimo com Baco, o deus do vinho, retratando a intoxicação e embriaguez. O artista era conhecido por seu temperamento impetuoso e estilo de vida desregrado. Em suas pinturas revolucionárias, Caravaggio gostava de enfatizar a humanidade de seus temas. O retrato que ele pintou em fins d século XVI quase não idealiza o deus: Baco é retratado como um homem com quem Caravaggio se embriagava em bares e bordéis. O artista também se desviou da norma tradicional renunciando à costumeira paisagem de fundo.

Companheiro de bebida de Caravaggio
Uma Maria mais humana

Ognissanti Madonna

O retábulo Ognissanti Madonna (Madona de Todos os Santos) é outro exemplo de uma nova abordagem. Giotto pintou a obra em cerca de 1310, e ela representa uma grande mudança na pintura, pois foi a primeira vez que um pintor medieval utilizou a perspectiva. Com esta obra, Giotto deu início a uma das maiores revoluções da história da arte. Ele é também considerado como o “pai” do Renascimento, por causa deste estilo de pintura. O retábulo representa Maria, sentada em um trono. A profundidade aparente de suas roupas e do trono a tornam muito mais humana – algo nunca visto naquela época.