KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A maravilha de Leshan

Talhado na pedra, o Buda Gigante de Leshan é algo muito especial. A maior estátua do mundo do Buda sentado, 71 metros de altura, é tão gigantesca que suas unhas são maiores que a altura de uma pessoa. Espremido entre as duas encostas de uma rocha, ele observa calmamente a água a seus pés e o sagrado Monte Emei. Esse Buda é um ícone que vai lhe tirar o fôlego.

A região em torno de Leshan é o berço do Budismo na China. Os templos mais antigos do país podem ser encontrados espalhados em volta do sagrado Monte Emei. Antigas estátuas de bronze, pavilhões, jardins de templos e centenas de túmulos encontram-se escondidos entre as árvores e são em geral cercados por uma névoa misteriosa. Mas por mais que a montanha sagrada pareça mística, o Buda Gigante às margens do rio é a atração mais famosa da região. Um conjunto de degraus íngremes na encosta da rocha leva você para a cabeça da estátua, onde você pode passar o tempo observando a confluência dos três rios a seus pés.

Os compridos lóbulos das orelhas fazem parte do mito

Os segredos do Buda Gigante

Embora o Buda Gigante tenha sido originalmente protegido por um dossel, desde então, musgos e arbustos deram à estátua uma cobertura natural. Graças à erosão, a estátua passou por várias cirurgias plásticas. Uma coisa que se nota imediatamente são os compridos lóbulos nas orelhas, que são uma característica comum às estátuas de Buda. Segundo a lenda, Gautama Buddha, o fundador do Budismo, era um príncipe que usava brincos encrustados de pedras preciosas. Com o intuito de se focar em sua iluminação, ele tirou os brincos e raspou a barba. Seus compridos lóbulos tornaram-se desde então um símbolo de sua rejeição ao mundo materialista. Contam-se várias histórias para explicar os cravos que sempre cobrem a cabeça das estátuas de Buda. Segundo algumas delas, trata-se de caracóis, que protegem a cabeça calva do sol com seu limo.

As águas bravas

Na aldeia de Leshan, que dá nome ao Buda Gigante, convergem três rios: Minjiang, Dadu e Qingyi. Eles eram tão turbulentos que os barcos com frequência viravam e naufragavam. O monge Haitong decidiu que era necessário um Buda para acalmar as águas. Em 713 d.C., ele começou a esculpir a estátua na pedra vermelha acima da confluência dos rios. A estátua só ficou pronta um século depois, com a ajuda de outros. Durante o processo de escultura, os pedaços de rocha removidos foram depositados na água. Como o rio foi parcialmente represado, tornou-se menos turbulento – embora os habitantes de Leshan tenham sua própria versão espiritual deste conto histórico. Seja qual for a versão verdadeira, o fato é que o Buda Gigante continua a olhar calmamente sobre as águas, estimulando a crença de que foi ele que domou os rios.