KLM uses cookies.

KLM’s websites use cookies and similar technologies. KLM uses functional cookies to ensure that the websites operate properly and analytic cookies to make your user experience optimal. Third parties place marketing and other cookies on the websites to display personalised advertisements for you. These third parties may monitor your internet behaviour through these cookies. By clicking ‘agree’ next to this or by continuing to use this website, you thereby give consent for the placement of these cookies. If you would like to know more about cookies or adjusting your cookie settings, please read KLM’s cookie policy.

Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Viajar no tempo em Le Marais

Com certeza há piores coisas do que perder-se nas ruas estreitas de Le Marais. Esse antigo bairro o leva de volta no tempo para a Paris medieval. Muitos dos edifícios agora albergam galerias de arte e cafés aconchegantes.

Le Marais também é chamado de "a velha Paris". Nos séculos 17 e 18 ele era o lar da aristocracia francesa. Eles construíram mansões elegantes, cercas de ferro forjado e belos parques e praças que ainda irradiam antigas fortunas hoje em dia. A inigualável Place des Vosges é especialmente grandiosa. Inaugurada oficialmente em 1612 como Place Royale, a praça teve seu nome mudado por Napoleão em 1800, em homenagem ao departamento Vosges, que era o primeiro a pagar impostos ao Estado central.

Praça com fascínio de realeza

A qualidade mais impressionante das casas nessa praça é que todas se baseiam no mesmo desenho. As fachadas consistem em tijolos vermelhos e pedras brancas e todos os edifícios têm arcos elegantes. Muitos franceses famosos viveram na praça, incluindo o Cardeal Richelieu e o escritor Victor Hugo. O autor de livros como Les Misérables viveu no número 6 no segundo andar de 1832 a 1848. A Maison de Victor Hugo agora é um museu com entrada gratuita.

Bairro com aparência moderna

Há uma jóia moderna nos arredores de Le Marais: o Centre Pompidou. O presidente Pompidou decidiu construir um grande centro cultural no Plateau Beaubourg em 1969. A concorrência internacional de design foi ganha pelo britânico Richard Rogers e o italiano Renzo Piano, que, desde então, se tornaram arquitetos mundialmente renomados. O centro abriu em 1977.

Todos os elevadores, as escadas, os tubos de ventilação, a tubulação de água e as estruturas de metal são localizadas no exterior do edifício para permitir que o espaço interno seja totalmente aproveitado. A tubulação exterior foi codificada por cores pelos arquitetos: azul para o fornecimento de ar, amarelo para a eletricidade e verde para a água. Os tubos vermelhos destinam-se ao transporte de pessoas, isto é, elevadores e escadas rolantes.

As tubulações codificadas por cores no Centre Pompidou