Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Um castelo para os amantes das artes

Outrora símbolo de poder, o Castello Sforzesco é atualmente uma importante atração cultural. O enorme forte no centro de Milão foi originalmente construído para ser uma fortaleza impenetrável. Era daqui que a família Visconti e mais tarde os Sforza governavam a cidade. Desde 1896, o castelo abriga uma das maiores coleções de arte de Milão. Dedique algum tempo para admirar a exposição de esculturas, porcelanas europeias e mobiliário barroco.

Galeazzo II Visconti, o primeiro Duque de Milão, ordenou a construção do Castello Sforzesco em 1358. O resultado foi um poderoso forte quadrado, com fossos de castelo, ponte levadiça e muros que tinham até quase 7 metros de espessura. Quando Filippo Maria Visconti (o último membro masculino da família Visconti) morreu, em 1447, os habitantes de Milão proclamaram a breve República Ambrosiana, e o castelo foi completamente demolido. Mas pouco tempo depois, Francesco Sforza se autoproclamou Duque de Milão e reconstruiu o castelo inteiro, acrescentando uma torre central com 70 metros de altura: a Torre del Filarete.

O portão do castelo

Coleções de arte de classe mundial

Sob o domínio de Ludovico Sforza, apelidado “Il Moro”, que era o Conde de Milão em fins do século XV, o castelo ampliou sua importância cultural. Sforza encarregou artistas como Leonardo da Vinci e o arquiteto mundialmente famoso Donato Bramante de embelezar o interior do castelo. Sob o domínio espanhol e o domínio austríaco, o forte foi principalmente usado para fins militares. Se você passar pelo portão de 71 metros de altura e entrar no pátio, estará pisando no local onde se realizavam inúmeros exercícios militares. Em torno de 1900, o forte foi transformado basicamente num complexo de museus. Aqui você encontrará cerca de 10 diferentes museus com coleções inestimáveis de arte de nível internacional. E tudo isso é acessível com o pagamento de uma única entrada de 3 Euros.

O pátio do Castello Sforzesco

Design italiano

Os italianos sempre foram conhecidos por seu gosto refinado e seu senso de design. Uma das salas expõe projetos milaneses de móveis dos séculos XV ao XX. A coleção começa pelo mobiliário real e eclesiástico dos séculos XV e XVI e móveis barrocos com marchetaria. Deslumbre-se com as coleções de arte das famílias ricas da nobreza. O museu também exibe o design contemporâneo com obras do famoso designer milanês Giò Ponti. Além de móveis e louças, ele também projetou edifícios: por exemplo, a loja de departamentos Bijenkorf, em Eindhoven na Holanda, país sede da KLM.

Cadeira desenhada por Ponti
Paraíso para pombos

Buracos nos muros

Passeando de museu em museu e de pátio em pátio, você poderá notar pequenos orifícios nos muros. Estes agora são habitados pelos muitos pombos que fizeram o forte de habitat. Os orifícios destinavam-se originalmente a prender os andaimes para as obras de manutenção, que ainda são realizadas atualmente. Hoje a prefeitura está investindo significativamente para transformar o forte num espaço com o qual a cidade de Milão e seus habitantes possam se identificar.

Créditos das fotos

  • O pátio do Castello Sforzesco: Anton_Ivanov, Shutterstock