Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O bizarro parque de esculturas de Gustav Vigeland

O parque não é apenas a atração turística mais popular da Noruega, mas o maior parque de esculturas de um único artista do mundo: a coleção de 212 estátuas de pedra, bronze e ferro fundido de Gustav Vigeland no Parque Vigeland. O parque está aberto 24 horas por dia, os 365 dias do ano e a entrada é gratuita. Desde o ‘Little Hot-Head – Pequeno cabeça quente’ à imponente ‘Monolith – Monólito’, é um prazer ver as estátuas em tamanho real, tanto no verão como no inverno.

Que melhor obra-prima poderia querer um escultor? Por 20 anos, Gustav Vigeland (1869-1943) trabalhou em uma exposição ao ar livre no quintal de sua casa e estúdio em Frogner, um bairro de Oslo. O lugar se transformou em um parque com 212 esculturas de granito e bronze. Vigeland não só criou todas as esculturas, mas também desenhou o parque, incluindo a arquitetura do jardim, pontes, fontes e recintos. Mas ele nunca pôde desfrutar de seu parque em toda a sua glória, já que todas as esculturas só foram colocadas no parque em 1950, 7 anos depois de sua morte.

Tirando uma foto com o Little Hot-Head

Muitas das esculturas em tamanho real possuem dezenas de esculturas menores, como a ponte com 58 homens, mulheres e crianças nus, em todas as poses imagináveis. ‘Sinnataggen’ (Little Hot-Head – Pequeno cabeça quente) — um garotinho batendo o pé no chão com raiva – é a escultura mais adorada do parque. Ele é muitas vezes chamado de “A Mona Lisa de Vigeland”. Ele é tão adorado que suas mãos e pés brilham porque todos o tocam ao tirar uma foto com ele. Não tão longe daí está a ‘Livshjulet’ (Wheel of Life – Roda da Vida), um ciclo vicioso de pessoas entrelaçadas, com um diâmetro de 3 metros.
A entrada do parque também é impressionante; um grande portão com figuras masculinas estilizadas em diferentes fases da vida estão incrustadas em pilares de granito coroados com lanternas de ferro fundido. O destaque literal e figurado do parque é o ‘Monolitten’ (Monólito), uma coluna de 14 metros de altura localizada no ponto mais alto do parque; uma construção impressionante na qual 3 talhadores de pedra passaram 14 anos trabalhando diariamente sob a supervisão de Vigeland. Construído com apenas um único bloco gigante de granito, as 121 figuras da escultura parecem estar escalando uma sobre a outra em direção ao céu, em uma espécie de metáfora sobre o desejo das pessoas em relação ao divino e ao espiritual.
A maioria das esculturas está posicionada em 5 grupos ao longo da avenida de 850 metros de cumprimento. Ao sul do parquet está o estúdio de Vigeland, o qual for preservado em seu estado original desde sua morte em 1943. O estúdio, hoje um museu, é bastante popular e recebe 1,5 a 2 milhões de visitantes todos os anos.

O Monolith

O escultor mais famoso da Noruega

Gustav Vigeland (1869-1943) nasceu e cresceu em Mandal, sul da Noruega. Quando criança, ele era fascinado por religião, espiritualidade, desenho e esculturas, uma combinação que o marcaria para o resto de sua vida. Seus pais o enviaram a Oslo para aprender uma profissão – cortar madeira – na escola técnica. Ele recebeu uma subvenção do estado e a usou para viajar por toda a Europa. Depois de Copenhagen, Berlim e Florença, ele chegou a Paris, onde trabalhou no estúdio de Auguste Rodin. De volta a Oslo, ele se transformou no mais famoso e mais produtivo escultor da Noruega.

Créditos das fotos

  • O Monolith: Tutti frutti, Shutterstock