Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A História judaica no Josefov

No coração de Praga, às margens do Rio Vltava, encontra-se o bairro de Josefov. Esse bairro judeu tem uma História ilustre e serve de cenário para muitos contos do escritor Franz Kafka, que morou aqui. Tire tempo para explorar as ruas de paralelepípedos e conhecer a cultura, a arquitetura e as histórias da comunidade judaica de Praga.

O bairro judeu de Praga existe desde o século 13. Muitos judeus se mudaram para esse bairro apinhado por volta dessa época — no seu auge, cerca de 18 mil pessoas moravam aqui. Hoje, apenas uma pequena comunidade judaica permanece em Josefov, mas ainda é possível ter um gostinho da sua atmosfera histórica. Embora grande parte do bairro tenha sido reconstruída no século 19, os edifícios e monumentos mais importantes permanecem intactos. As seis sinagogas, a Prefeitura Judaica e o Antigo Cemitério Judeu estão entre os mais bem preservados monumentos judeus da Europa. Esses sítios históricos continuam a nos lembrar de uma época em que a cultura judaica florescia aqui.

O antigo bairro judeu em Praga
O antigo bairro judeu em Praga

Praga

Um passeio pela História judaica

A conhecida Sinagoga Velha Nova, a mais antiga sinagoga existente na Europa, está localizada na chique rua Pařížská. Esse local de adoração, que remonta a meados do século 13, é usado até hoje. A alvenaria irregular de sua fachada é um exemplo típico do estilo gótico antigo. A ornamentação original também é encontrada no interior, incluindo candelabros ornamentados de ferro forjado. Um detalhe interessante é a bandeira vermelha com a estrela de Davi bordada em ouro que adorna o pilar ocidental. O Imperador Ferdinando III presenteou essa bandeira ao povo judeu de Praga no fim do século 17.

Ao lado da Sinagoga Velha Nova fica a elegante Prefeitura Judaica, construída em 1586. Como muitos outros monumentos em Josefov, a prefeitura foi construída por Mordechai Maisel, um dos homens mais ricos de Praga no século 16. Características interessantes incluem os dois relógios da sua fachada, o maior dos quais com algarismos romanos enquanto o menor tem numerais hebraicos e ponteiros que giram no sentido anti-horário. A Prefeitura inclui um restaurante kosher, aberto para o almoço das 11h30 às 14h e é recomendado se você quiser saborear a autêntica cozinha judaico-tcheca.

Do outro lado da rua fica o Antigo Cemitério Judeu, em uso de 1478 a 1786. Milhares de lápides abarrotam tanto o lugar que parecem se apoiar umas nas outras. Esse lugar misterioso conta muito sobre a história judaica em Praga. Acredita-se que cerca de 100 mil judeus tenham sido enterrados aqui. Visto que era proibido expandir o cemitério, as sepulturas eram escavadas em 12 camadas. O túmulo mais famoso é o de Judá Loew ben Bezalel, também conhecido como o Maharal de Praga.

+ Ler mais

A Sinagoga Velha Nova

O golem de Praga

Judá Loew ben Bezalel, o Maharal de Praga (1525-1609), foi um rabino conhecido, estudioso e líder espiritual da comunidade judaica em Praga. Sua memória estará para sempre ligada a uma lenda estranha: dizem que o Maharal criou um golem a partir de barro do Rio Vltava, que ele trouxe à vida por meio de rituais e encantamentos hebraicos. Esse Golem, um ser do folclore judaico, ainda estaria escondido no sótão da Sinagoga Velha Nova até o momento em que os judeus de Praga precisarem da sua proteção.

Estátua de Franz Kafka

A casa de Franz Kafka

Franz Kafka (1883-1924) passou a maior parte da vida no Josefov. A família Kafka morou na Dušní 27 e uma estátua de bronze a poucos metros de distância serve de lembrete do famoso autor. O escultor da estátua, Jaroslav Róna, queria retratar o conto “Descrição de uma Luta”, em que uma conversa amigável entre o narrador e um conhecido se transforma em uma briga. O conto de Kafka se passa em grande parte às margens do Rio Vltava, e o próprio escritor pode ser reconhecido nos ombros da misteriosa figura negra e sem cabeça da história.